segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Conto: A Coincidência U.


Com o Sol forte raiando sobre a laje, Uelinton destapou a frente do barraco, saindo para trabalhar, e viu uma galinha morta, a cabeça depenada, na beirada de um córrego que passava rente às tábuas. Ao lado da galinha, havia um pires de milho: trabalho brabo de macumba. Para o próprio desgosto, Uelinton acreditava em quase tudo que não tinha explicação racional, argumentada.

-Valha-me, Deus, que coisa ruim não pega em mim! - benzeu-se e foi trabalhar.

Era um moço avoado que se retirou do sertão em busca de sustento, que sempre viveu de bicos, que não veio retirado da seca sozinho, que não vivia de bicos sozinho para ter do que comer. Retirou-se do sertão com o gêmeo chamado Uilson, que, por sua vez, não levava uma vida muito diferente da do irmão. Os dois começando na vida, meninos ainda verdes de tudo, eram gozação da jagunçada. Uma década e meia depois, homens crescidos, aprenderam a se defender.

-Ei, seus jagunços boiolas que não montam direito nem em cachorro, venham nos pegar filhos de rapariga! - zoavam e depois corriam.

Apesar de tudo, mereciam ser considerados sujeitos de alguma sorte. Após adaptarem-se com a vida no Rio, Uelinton e Uilson viviam juntos em um barraco que, de tão no limite da favela, no alto do morro, como que lentamente, o improviso parecia ser expulso para fora da comunidade e dentro da cidade, mesmo que pendurado no morro feito brinco de tábua, suspenso no ar sobre uma estrada federal. Roupas, alimentação, transporte: dividiam as poucas despesas que podiam arcar, mas, ainda assim, tinham que dar duro com o que faltava. Um irmão se fazia gostável pelo outro, não se desgrudavam, afinal, eram a única família que tinham fora do sertão.

Na favela, sempre que passava um caminhão na estrada, aquelas carretas carregadas com tudo de mais pesado, o barraco ameaçava despencar do morro, mas só ameaçava pois nunca se moveu um milímetro; e olha que não eram poucas as vezes que as carretas passavam carregadas com tudo! Deus o segurava pela fé. - Por pior que esteja, botei reparou que uma coisa é certa com a gente, maninho: no final, Cristo sempre ajuda. - Uilson constatou certa vez ao irmão, que, próximo a eleição na cidade, foi abordado por um conhecido da favela que se candidatara a vereador. - Se me der o seu voto e o de seu irmão, arranjo um emprego para você na câmara e um outro na prefeitura para ele. - prometeu, o candidato, que não se elegeu e que nunca soube se não havia tido nome suficientemente lembrado para ser eleito ou se os irmãos, bem como o restante da favela, não foram fiel como haviam apalavrado ser. A verdade é que Uelinton, como havia se comprometido, votara no vereador, já Uilson não tinha o temperamento dos que se contentavam com a caridade corrupta de terceiros e sequer foi votar. - Prefiro ralar. - justificou. Enquanto o irmão sonhava com a estabilidade de um emprego público, dos com salário todo fim de mês pingando na mão, Uilson passava o dia todo catando latinhas para vender no ferro-velho.

Uma semana antes da semana do Natal, Uelinton e Uilson conheceram duas irmãs que também eram gêmeas: chamavam-se Paula e Patrícia respectivamente. Paula e Patrícia, chegadas na favela havia completado um mês, moravam com o pai surdo-mudo, querido por todos.

-Como vai, Seu Clodinho? - a vizinhança o cumprimentava.

-Uio êm, obiao! - Seu Clodinho agradecia.

A vida tem dessas coisas, alguém poderia dizer. O fato é que Uelinton começou então a namorar com Paula e Uilson apaixonou-se por Patrícia; e não se desgrudavam um só instante. Paula e Patrícia pediam a benção ao pai, deixando-o sozinho, e iam a noite para o barraco de Uelinton e Uilson para vê-los. Nos primeiros dias do namoro, se encontravam geralmente no meio da manhã e no fim da tarde; e não eram raras as vezes que os quatro ficavam juntos, em conchinhas de dois, no mesmo colchão. E foi assim por um tempo proveitoso quando tiveram as primeiras brigas: intriguinhas de bobo! Em todas elas, Uelinton, Uilson, Paula e Patrícia discutiram por motivos mais do que despropositados em comparação com a determinação de ficarem juntos: Uelinton começou a demonstrar ciúmes de Paula ao perceber que ela era excessivamente simpática com Uilson, que, por sua vez, externou ciúmes de Patrícia, que se mostrava cada vez mais carinhosa com Uelinton, esse, se achando o “Racional do Mundo”, o “Mestre dos Improvisos”. Mas nunca foi além desse tanto: que brigassem e passassem alguns dias sem se falar, logo depois, voltavam a namorar.

Certa ocasião, Uelinton presenteou Paula com um cachorrinho que resgatou, desorientado no acostamento de outra estrada que passava no outro lado da favela, e Patrícia, quase que simultaneamente, também fora presenteada por Uilson: ganhou um gatinho varado de fome que Uilson havia recebido das mãos de uma vizinha de barraco que trabalhava como doméstica; gatinho, esse, que a vizinha havia sido presenteado pela patroa, por sua vez, também presenteada pelo filho mais velho, criado por uma tia fazendeira do Mato Grosso. Não era apenas um, a vizinha ganhara da patroa uma ninhada de cinco gatinhos, na qual, para a tristeza de todos, um veio a morrer minutos depois que nasceu. - Teve até cortejo, com um funeral de gato, com direito a padre e tudo. - Uilson contou à namorada.

Uilson também gostava de ler. Um de seus passatempos favoritos nas poucas vezes que tinha tempo, além de estar junto com Patrícia, era visitar uma biblioteca comunitária que os próprios moradores da favela haviam montado em um barraco mais ajeitado e, por lá, ficar foleando livros, descobrindo as histórias que lhe despertassem uma genuína e interessada vontade de ler, daquelas vontades que a gente não aguenta enquanto não alcança o último ponto final. Preferia quase sempre histórias de detetive e biografias.

Já Uelinton guardava em sua memória um grande sonho: queria ser um profissional do futebol. Na infância, não muito diferente de qualquer outro dos jogadores bons de bola pobres do sertão, passava dias e tardes no chuta-chuta com os amigos e já se via, presunçoso, estourando em um clube do sudeste, exatamente como um daqueles famosões de carro importado que aparentam nunca terem problemas na vida. Jovem, tentou várias vezes realizar seu sonho: com a ajuda de um padrinho, participou de peneiras em praticamente todos os grandes clubes, porém, sem muito talento, destinou-se a uma vida frustrada e não foi aprovado em nenhum; cogitou até se inscrever em outros clubes de menor importância de outros estados que não os do sudeste, mas, sem padrinho e dinheiro para o transporte, viu-se impedido de continuar tentando e desistiu do sonho por fim. Se jogasse futebol, agora trintão, seria somente por divertimento, e só.

Nada na vida é tão bom ou ruim que não possa melhorar ou piorar.

Com a chegada da primavera do ano que se seguiu, Uelinton rompeu o namoro com Paula, seguido por Uilson, que rompeu o relacionamento que tinha com Patrícia. Cansaram-se, os quatro, do convívio de um com o outro, e, na semana seguinte aos términos, Uelinton e Uilson decidiram dar um fim à dureza e à dificuldade que levavam, tomando a corajosa decisão de prosperarem na vida. De centavo a centavo, haviam conseguido acumular umas economias. Compraram uma combi velha que usariam para vender brigadeiro na favela, daqueles tão bons que só se acham nas melhores padarias. Uilson foi até a biblioteca, onde procurou um livro que tivesse receitas de doce e encontrou um, de poucas páginas, com várias receitas com chocolate, brigadeiros inclusive. Conseguiram receita de brigadeiro com canela, com menta, com morango, com laranja e até salgado. - Que criança vai gostar de um brigadeiro de feijão recheado com peito de frango? - descartaram a receita logo de cara. Uilson pegou o livro e, no mesmo dia, meteram a mão no chocolate. Foi um sucesso como poucos: de real a real, levantaram um casão na favela em pouco tempo.

Uelinton e Uilson se reconciliaram com Paula e Patrícia.


FIM.

10 comentários:

  1. Oi! Como vai? Antes que eu me esqueça, só queria deixar um comentáriozinho sobre o termo macumba! Não sei se usou propositadamente por conta do personagem, mas eu mesma não sabia há muito tempo disso e acho que é sempre bom repensar em preconceitos, então acho que todos devemos nos atentar ao fato de que macumba, na verdade e a despeito do que dizem, é um instrumento musical, e não qualquer atividade da religião! Dito isso, quero parabenizar pelo texto! Achei os personagens profundos e adorei a criativa história. Não pude conter o riso ao final. Parabéns! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovanna, obrigado pelos elogios.

      O termo macumba, na boca do povão,, significa magia negra, e foi esse o sentido que eu quis dar, rs

      Não tenho o menor talento p/ ser politicamente correto, rs.

      Volte sempre; que bom que gostou!

      Excluir
  2. Oi, Roberto! Tudo bem?

    Você escreve muito bem, estou impressionada!! Conseguiu escrever um conto que prendesse do começo ao fim, com uma história diferente e crítica, acho que posso dizer assim.

    Parabéns pelo seu texto, pela forma como você conduz o leitor, contando o passado de Uelinton e Uilson, alguns eventos presentes e como conseguiu terminar muito bem o texto. Continue sempre escrevendo, tenho certeza que você vai longe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, não tenho palavras para agradecer tamanhos elogios. Só um colossal OBRIGADO! rs

      São palavras como as tuas que me motivam a continuar escrevendo.

      Volte sempre!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Obrigado, Joao.

      Foi direto e reto no comentário, hein, mas está valendo, rs!

      Excluir
  4. Oi Roberto, tudo bem?

    Mais uma vez seu texto está muito bem escrito, com uma história coesa e no fim reflexiva. Creio que compreendi perfeitamente a mensagem que você desejou transmitir!
    A realidade das comunidades no nosso país é bem difícil mesmo, as pessoas necessitam de força de vontade para levantarem todos os dias e ir em busca de algo melhor. Seus personagens são a personificação disto e é a força de vontade e coragem deles, rondam muitos personagens da vida real.
    Parabéns pelo texto!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Alice, fico contente que tenha gostado do conto.

      Gentil e generosa como sempre!

      Excluir
  5. Esse conto parece ser precisamente o contrário de todos os outros. Curioso, menino Rob.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vitor, esse conto é de fato diferente dos outros que venho postando por aqui. A história é propositadamente banal, realista.

      Espero que tenha gostado, rs.

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Descomplique-se! (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (1) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (85) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) Vovó Yordanka (3)