Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Conto: Isaurinha e Seu Fernando.


Com a certeza de que Seu Fernando levantaria faminto, Isaurinha já havia se levantado para ferver o café. E assou bolo de milho, pão salgado e fez uma jarra de suco com doze laranjas que pedira para Seu Fernando comprar pessoalmente, no dia anterior, no mercadinho do bairro. Do amor que expressavam um pelo outro não se via igual.

Após tomarem o café, Isaurinha e Seu Fernando teriam um dia cheio. Tanto a velha quanto ele, aposentados, ainda davam duro trabalhando dentro e fora de casa. Isaurinha, para complementar a renda, minuciosa com as mãos, fazia bonecas de porcelana, que, junto com o esposo, vendia aos finais de semana, em uma feirinha de artesanato. E enquanto as fazia, Seu Fernando cuidava dos serviços da casa: varria o chão, lavava e passava a roupa, montava no fogão para cozer o almoço, a janta, recolhia o lixo da cozinha e dos dois banheiros do sobrado alugado, e, como se ainda lhe sobrasse o tempo de uma vida inteira, roçava a grama do jardim, religiosamente, uma vez por semana. Reunia disposição para todas essas tarefas porque se sentia envaidecido como homem e não queria cansar Isaurinha. Era um casamento de décadas, daqueles amores que só cresciam.

Sábado. Isaurinha e Seu Fernando vendiam as bonecas, na praça, na feirinha de artesanato. Grupos de meninas se reuniram em frente a barraca tão encantadas com a mercadoria que sequer piscavam ou fechavam a boca. Puxavam as saias de suas mães, as calças jeans de seus pais que haviam acabado de sair do trabalho e pediam para que eles as comprassem não apenas uma mas todas que apontavam com seus dedinhos miúdos. E quando finalmente compravam uma ou duas explodiam de alegria.

-Você quer uma dessas bonequinhas, minha filha?

-Sim, papai.

-Ótimo então! Qual você quer? Pode escolher.

-Quero todas, papai.

Mesmo sob reclamação, um dos pais não comprou todas que a filha quis, mas comprou logo as cinco mais trabalhadas que Isaurinha havia atravessado a sexta-feira fazendo. Além das que vendeu, levara outras quarenta e cinco de diversos preços.

Seu Fernando não era menos carinhoso no momento da venda. Atendia os clientes com dedicação e entregava as bonecas que a velha amada costurara como se fossem filhas, filhas que nunca tiveram, e ainda pedia à meninada, com voz doce, que cuidassem delas de forma igual.

-Aqui está a sua filhinha. - dizia. - Cuide dela com muito amor.

Certa vez, permaneceram na feirinha até o meio da tarde, quando já havia passado um pouco o horário do almoço. Antes que recolhessem as bonecas dentro de uma mala para retornarem para casa, Isaurinha se deparou com uma menina mal vestida, acompanhada por um senhor que aparentava ser seu avô, se aproximando da barraca e olhando-as hipnotizadamente. Então, perguntou se ela havia gostado de alguma delas, se as achava bonitas.

-Sim. Sim. Sim. Elas são muito charmosinhas. - respondeu, a menina mal vestida.

Cheia de compaixão, Isaurinha a presenteou com uma das bonecas que haviam sobrado das vendas. Primeiro, disse à menina que apontasse a que mais achava bonita, porém, ao ver sua vergonha em escolher uma, não hesitou e ofereceu-lhe a mais graciosa, que era também a mais cara.

-Promete que vai cuidar dessa charmosinha com muito amor e carinho, minha querida?

-Sim. Sim. Sim.

O senhor que acompanhava a menina, enormemente agradecido pela bondade de Isaurinha pois não poderia comprar uma daquelas bonecas artesanais, se ajoelhou diante do casal e começou a chorar.

-Por quê está chorando, meu bom amigo? - Seu Fernando perguntou.

-Por que vocês foram muito bondosos. Eu e minha neta não estamos acostumados a ter um tratamento assim.

-Não estão? - Seu Fernando o encarou com otimismo. - Se acostumem então porquê os bons, mesmo em tempos sombrios, foram e sempre serão a maioria.

Assim sendo, o senhor agradeceu ao casal e foi embora de mãos dadas com a menina mal vestida, que, feliz, abraçava calorosamente a boneca que havia ganhado.

Logo em seguida, Isaurinha e Seu Fernando recolheram as bonecas dentro da mala e foram embora para casa, onde ainda teriam muito trabalho naquele dia. No que se preparavam para deixar a feira, Isaurinha avistou uma aranha armadeira sobre as pétalas amarelas de uma delicada flor. Recolheu a aranha dentro da cabeça que havia se desprendido do corpo de uma das bonecas.

-Podemos cuidar dela, querido? - perguntou segurando a cabeça de porcelana com a aranha dentro.

-Claro, minha vida, como quiser.

Tratavam-na como um animal de estimação. Nos primeiros dois dias, Seu Fernando arrumou um vaso de flores vazio para que Isaurinha forrasse o fundo com algumas folhas e gravetos, fazendo o vaso de casa para a aranha. Zelosa, colocou até mesmo uma tampinha que enchia de água caso a mesma sentisse sede e insetos caso tivesse fome, preguiça de caçá-los.

Isaurinha a mimava. Conforme os dias passaram, as horas transcorreram, a aranha, então, revelou-se única, foi se desenvolvendo e crescendo muito acima do imaginável. Já não vivia mais no vaso, circulava por todos os cômodos do sobrado. A criatura, para a graça de todos que a viam fazendo companhia ao casal, ganhara o tamanho de um cachorro da altura dos joelhos de Isaurinha.

Isaurinha batizara a mutante com o nome Vitória. Achava propício esse nome.

-Quer dar uma voltinha pelo bairro, Vitória?

-Não deve ser isso, minha vida. Não. Não. Já sei que é! Vitória está com fome. Vou lá fora caçar mais insetos e já volto. - Seu Fernando voltava sempre com um pote cheio de mariposas e borboletas que capturava ora na praça, ora em uma mata próxima do sobrado onde moravam.

Assim era a rotina da aranha: depois de alimentada, levavam-na para passear e a apresentavam com todo orgulho para os amigos, vizinhos e desconhecidos que não se mostravam menos carinhosos em vê-la. Diziam, o casal: Chama-se Vitória. Ela é muito querida. Cresceu de amor.

Foi então que certo dia, quando a vida corria normalmente, a rotina fluindo, o céu cobriu-se de cinza e uma chuva forte lavou a cidade durante a tarde, a noite e boa parte do dia que se seguiu. Não havia ninguém que não tivesse a vida sido afetada pelo temporal ou que não conhecesse alguma pessoa igualmente prejudicada. Assim que a chuva começou, um cão rotweiler, fugindo do aguaceiro, se abrigou na varanda do sobrado e latiu com medo dos sucessivos trovões, como quem pede para entrar. Isaurinha e Seu Fernando, ao ouvir os latidos, solidários, abriram a porta rapidamente para que entrasse e se abrigasse da chuva.

Adotaram o cão rotweiler. Seu Fernando o batizou com o nome Gilbert. Gilbert e a aranha Vitória tornaram-se tão amigos e leais um para com o outro que não se desgrudaram um segundo desde então.

Mais um sábado, Isaurinha e Seu Fernando arrumavam as últimas bonecas dentro de duas malas para vendê-las na feirinha de artesanato da praça. -Gilbert e Vitória, vocês querem ir com a gente? - Seu Fernando perguntou aos dois que já os esperavam, ansiosos, na porta do sobrado. -Claro que querem, papai. - Isaurinha respondeu por eles. Brincou. - A gente quer muito, não é mesmo crianças? - não queriam deixá-los em casa, desprotegidos e sem companhia; Gilbert e Vitória, então, foram juntos com o casal.

Logo que chegaram na praça, enquanto o casal ajeitava as bonecas de porcelana na barraca, o cão e a aranha mutante se juntaram aos pés de uma árvore, quietinhos para que assim não distraíssem os clientes e não atrapalhassem as vendas. E por mais que a lógica dissesse o contrário, nem de longe atrapalharam as vendas pois não espantavam ou distraíam os clientes, Gilbert e Vitória pareciam funcionar como atrativos para que a meninada se aproximasse e se interessasse pelas bonecas. As vendas se mostrariam um sucesso maior do que a semana anterior. Tão prontamente a meninada se aproximava, Isaurinha era carinhosa com todas e também com aquelas que já se apresentavam dizendo só estarem admirando-as. Seria assim na semana seguinte da venda seguinte, com Gilbert e Vitória aos pés da árvore, enquanto vendiam todas as bonecas que haviam levado à feira.

E em uma dessas vezes em que atenderam a meninada uma em especial se aproximou então da bondosa Isaurinha e do generoso Seu Fernando.

-A senhora se lembra de mim? - perguntou.

Isaurinha, mesmo com uma ligeira suspeita de conhecê-la, não se lembrou. A menina mesmo é que respondeu a própria pergunta:

-A senhora me deu uma boneca de presente quando eu estava junto com o meu vovô. Se lembra de mim agora?

-Sim, agora me lembro. Mas onde está o seu vovô? Está sozinha?

-Meu vovô morreu, mas não estou sozinha porque ganhei uma mamãe.

Seu Fernando, no que a ouviu, comemorou:

-Que bom saber disso!

-Sim, ganhei uma mamãe de coração. É assim que eu chamo ela. E ela também é muito rica.

A menina, de forma resumida, contou em seguida o que se sucedeu em sua vida nos últimos dois meses. Disse que seu avô havia morrido e que fora levada a um orfanato, onde, poucos dias depois, foi adotada.

-Eu quero dar um presente para a senhora. - ofereceu uma bonequinha de ouro cravejada de diamantes e outras pedras preciosas. - Por favor, aceite.

-É muito valiosa. Não posso aceitar. - Isaurinha recusou.

-Insisto que aceite. - emendou, a menina. - A senhora foi muito boa comigo. Foi mamãe quem sugeriu que eu lhe desse esse presente. A senhora merece.

Assim sendo, ao lado de Seu Fernando, Isaurinha aceitou o presente. A menina sabia que a joia seria uma inequívoca ajuda financeira ao casal. Ao deixar a praça, despediu-se ainda de Vitória e do rotweiler Gilbert, que a observavam com ternura aos pés de uma das árvores da praça. Todos os personagens, às suas estranhezas, guardavam preciosas semelhanças.



FIM.

26 comentários:

  1. Mais um conto pelo qual fico apaixonada, que transmite amor e compaixão. Fico sempre encantada com a sua escrita! :) Obrigada pelos contos maravilhosos que sempre nos traz!
    Beijos

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De Nada Bia, Sou eu quem agradece.

      Volte sempre.

      Excluir
  2. Quero começar dizendo que logo nas primeiras linhas tive aquela coisa gostosa na qual o conto sai do papel (ou, no caso, da telinha rs) e salta pros nossos sentidos. Que vontade de tomar o café da Isaurinha! Agora vamos aos parabéns pelo conto incrível. Acho que o que mais gosto na sua escrita é a familiaridade com os personagens. Agora, ao findar a leitura, me sinto próxima do bondoso casal e dos seus engraçados animais de estimação. Até mesmo quero uma boneca. Incrível como sempre! Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gio, se me permite a intimidade, obrigado mesmo!

      Fico enormemente feliz e satisfeito que curta o que escrevo.

      Valeu!

      Excluir
  3. Deveras interessante esse conto. A forma como apresenta o casal é um primor, e é curioso como os animais de estimação, especialmente o Gilbert, não tendo um papel fundamental na história, o dão certo "valor literário" a mais. Deveras curioso seu texto, Rob.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Coletivo, de todos os seus comentários, este foi o que eu mais gostei, kkk.

      Legal que tenha gostado tanto assim.

      Volte sempre!

      Excluir
  4. “Os bons, mesmo em tempos sombrios, foram e sempre serão a maioria.” Fiquei encantada com a verdade dessa frase. Ainda que as mídias de forma massante só divulguem o caos, a dor, a violência, a maldade... Pessoas boas sempre existirão. Eu amei o amor envolvente desses dois. Detestei a parte da aranha, lógico! kkkk Mas amei esse toque de fantasia do conto. Eu fiquei imaginando as bonequinhas de porcelana da Dona Isaurinha e fiquei querendo conhecer os dois e tomar chá com eles no fim da tarde. Você é um escritor incrível! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário sensível, Eliziane, valeu mesmo!

      Vindo de você, não esperava um comentário menos generoso.

      Volte sempre, parceira!

      Excluir
  5. Lindo conto. Muito bem escrito e delicioso de ler, fiquei encantada.

    ResponderExcluir
  6. Nossa Roberto, que incrível esse conto. Adorei a forma como você escreve e os detalhes colocado em cada linha. Realmente ao ler esse conto a gente se sente dentro da história e tem uma aproximação enorme com os personagens. Por mais difícil que as coisas estejam a esperança nas pessoas nunca pode deixar de existir.

    Um grande abraço! 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gisele, seu comentário me motivou a continuar escrevendo novos contos e criando novos personagens.

      Abraço forte.

      Excluir
  7. Que exemplo de casal! Quanto amor, compaixão e solidariedade!! D. Isaurinha e S. Fernando têm em abundância esses sentimentos que podem distribuir com as outras pessoas. Fiquei fascinada pela história, pelo modo como você a escreveu! Cheguei a imaginar as bonecas e os bichos de estimação. Achei estranho o gosto pela aranha, rsrsrsrs. Parabéns pelo lindo conto!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cidália, fico feliz que tenha gostado do casal que eu criei. Isaurinha e Seu Fernando são de fato muito possíveis de existirem, são muito reais.

      Já em relação a aranha, foi um toque surreal, fantasioso, que empenhei na história.

      Volte sempre.

      Excluir
  8. Mais uma vez venho te dizer que seus contos sempre me levam de volta a minha infância e este mais ainda.Amei a leveza e a doçura das suas palavra. Parabéns e continue a nos encantar.
    Pena que não tenho mais Uma Isaurinha é um Sr. Fernando aqui comigo. Muitas saudades mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cássia, fico feliz que te agradei... e de novo, kkk

      Abraço forte.

      Excluir
  9. Nossa, Roberto, que conto lindo! É gracioso e cheio de surpresas. Achei linda a mensagem final. Ser bom, é ter atitudes boas com todas as pessoas. É não esperar nada em troca, e mesmo assim, receber. Porque quem planta, seja o que for, colhe com mais intensidade. Por isso, prezo muito em plantar o que é bom. A vida dá muitas voltas!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Suellen Marques, concordo radicalmente com tudo que disse.

      Faça o bem, receba o bem!

      Faça o mau, sofra até aprender a fazer o bem!

      Abraço.

      Excluir
  10. Ultimamente essas minhas andanças pela internet tenho conhecido diversos contos, mas este é muito bacana. Tem um ar nostálgico para mim e estou cada vez mais interessado nos seus textos. Parabéns!

    Att,
    Gabriel José

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gabriel, legal que tenha correspondido as suas expectativas literárias, rs.

      Volte sempre, boy!

      Excluir
  11. olá! gostei do conto, da clareza e leveza na descrição das coisas, confesso que quando entrou a aranha eu esperava algo macabro hahahah tenho pavor de aranhas então só consegui imaginar uma coisa bem sangrenta acontecendo hahahaha

    O conto passa uma bela mensagem, colhemos aquilo que semeamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Raissa, volte sempre!

      E comente muito mais, rs.

      Abraço.

      Excluir
  12. Brother... O que posso falar desses seus contos? Quando não fico assustado fico extremamente apaixonado pela escrita. Linda histórias e com surpresas incríveis, parabéns pelo conto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franklin, amigo fiel e verdadeiro, obrigado pelo teu valoroso comentário!

      Senti que foi sincero e de coração.

      Abraço e volte sempre!

      Excluir
  13. Nossa, que historia mais linda de se ler! Não consegui desgrudar os olhos da tela por um instante! Que amor lindo do Fernando e Isaurinha, tão difícil hoje em dia essa cumplicidade que eles transmitem. Achei engraçado essa aranha mutante e fiquei imaginando como seria rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Renally, que bom que gostou, inclusive na parte em que descrevo Vitória, a aranha, rs.

      Volte sempre, será bem-vinda!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)