Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Conto: Quilômetro Cinza.


(Um caso vampiro em São Paulo)

Hiroilto foi sem destino então. Fincou a chave no carro, desobedecendo a advertência veiculada continuamente no rádio e na televisão para que ficasse em casa, dada à excepcionalidade do que se ocorria com o tempo em São Paulo. - “Talvez, o clima esteja igual no mundo.” - pensou enquanto dirigia. - “Que está acontecendo?” - a neve caía torrencial, ao longo da Bandeirantes, em flocos grossos, instalando o frio que não era menos aterrador.

Foi percebendo que, enquanto dirigia, era literalmente o único em toda a cidade que havia tido a ideia de se atirar ao desconhecido, mas dirigiu o carro com cuidado em todo momento. Certa hora, Hiroilto parou ao avistar, no acostamento da marginal, um menino sozinho que não aparentava ter mais de dez anos. Deu duas pancadinhas no vidro do carro como quem o anunciava que podia se aproximar, só que o menino porém limitou-se a olhar em sua direção, dando a entender que não entendia o que Hiroilto queria. - “Ele vai morrer congelado se eu não tirá-lo de lá”. - abriu a porta do carro e se entregou ao frio.

A pista estava escorregadia por causa de uma crosta de neve que, com alguma rapidez, acumulava-se nas bordas, quase que se estendendo a um rio congelado. Tinha que ser mais ligeiro no resgate ao menino. - “Não tenha medo, garoto, deixa eu te ajudar!” - estendeu-lhe a mão enquanto caminhava, para que viesse ao seu encontro, porém, de novo, o menino não reagiu. Valente, no que se aproximou, Hiroilto envolveu o menino nos seus braços e o levou com ligeireza para dentro do carro. - “Que merda, Hiroilto!” - na pressa de socorrê-lo, Hiroilto esqueceu de fechar a porta ao sair do carro e uma boa camada de neve encobria todo o banco do motorista. Com duas braçadas generosas, expulsou a maior parte dela. Entrou no carro mesmo assim e colocou o menino, sentado no banco do carona, ao lado.

Ufa, que aventura hein?! Como se chama, garoto?”

Para alívio de Hiroilto, o menino respondeu:

CD.”

CD?” - sorriu para o menino, que fez que sim com a cabeça. - “Prazer em conhecê-lo, CD. Vou levá-lo para casa, certo? Onde estão seus pais?” - Hiroilto não disfarçou a afeição que já sentia pelo menino.

CD não o respondeu. Em vez disso, laçou-lhe um olhar opaco, fosco, inabilitado de sentir. Hiroilto presumiu desse modo que o menino não tivesse pais e que, justamento por isso, o encontrara na rua. - “Pobre garoto!” - pensou. - “Vamos ficar junto até que a neve passe, CD. E depois te levo para uma delegacia; quem sabe, eles não te arrumam uns pais maneiros! Combinado assim?” - perguntou.

CD o encarou com desinteresse. Deu-se a entender que para ele tanto importava o que fariam depois. CD tinha o rosto e as mãozinhas tão brancos que impressionava Hiroilto fortemente, cada vez mais.

Está com frio?” - o bondoso homem quis saber.

Um pouco.” - CD respondeu.

Coitadinho! Não se preocupe porque já estamos chegando em casa.”

E Hiroilto passou-lhe as mãos nos cabelos, confortando-o. Ao fazer isso, se impressionou mais uma vez: os cabelos de CD estavam extremamente secos e sua pele, sem viço algum, ficava cada vez mais branca, diferente em comparação a qualquer outra que já havia visto, como a de um cadáver de um menino congelado. Em seguida, ao levar a mão ao nariz e cheirá-la, quase vomitou ao sentir um cheiro terrivelmente podre em um pouquinho de óleo que se impregnara nela. Era como se houvesse acabado de passar a mão na carniça de um animal morto. Assustado, decidiu levar o menino direto para uma delegacia, invés de levá-lo para casa como o havia prometido.

Estou com fome e eu quero comer agora.” - CD pôs as mãozinhas sobre sua barriga.

Já estamos chegando em casa, CD.” - Hiroilto escondeu-lhe aonde verdadeiramente estavam indo. - “Aguente só mais um pouco, combinado?” - e foi acelerando o carro, mostrando pressa em se livrar do menino.

Eu disse que eu quero comer agora, não me ouviu?”

O menino, antes indefeso, se revelou então. Ao olhar para o lado, Hiroilto viu-se tomado pelo horror. Criatura medonha, a cabeça de CD revelou-se peluda; as orelhas, os olhos, o nariz e os dentes fininhos lembravam os de um asqueroso morcego.

Não precisa ser do jeito mais doloroso para você. Só quero uma dose de sangue, vou transformá-lo.”

Vá embora, demônio!” - Hiroilto enfiou o pé no freio.

Com toda a calma, CD, pequeno conde, um aprendiz de vampiro, foi se aproximando lentamente da sua presa, que, já em paz e a vontade com seu destino, sentiu cravar os dentinhos na jugular. - “Só uma dose do seu sangue.”

FIM.

51 comentários:

  1. Oh, não estava nada à espera deste desfecho! Pena que foi pequenino... É a continuação de algum outro conto ou terá continuação?? Quero ler mais disto!! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia, o final foi pensado a exaustão antes de ser escrito. Fico feliz que tenha curtido.

      Não terá continuação, não, mas farei outros contos tão surpreendentes quanto. Acompanhe o blog e verá.

      Excluir
  2. Esse é um dos motivos que acredito que nunca devemos dar carona a estranhos na estrada. Há tantas histórias e "Causos" e seu texto só aumentou ainda mais o meu medo dessas coisas, belo texto meu amigo, seus contos são sempre fantásticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franklin, como meu guru, tudo que diz é lei para mim. A partir de agora, não dou carona para mais ninguém, rs.

      Até porque não tenho carro...

      Excluir
  3. Oi Roberto, tudo bem? :)

    Confesso que não sou muito de ler contos; acho que tenho medo de que o autor não consiga demonstrar todo o seu potencial em apenas alguns parágrafos sabe? Mas o seu, mesmo curto realmente produziu o efeito desejado - fiquei assustada com esse garotinho desde o primeiro momento em que o citou! haha'

    Embora seja uma medrosa para história de terror, acho incrível quando as pessoas conseguem desenvolvê-la bem o suficiente para assustar. Antigamente eu achava que nunca me assustaria com história de terror, que o elemento visual era essencial para tal sentimento, mas depois de ler o Iluminado realmente mudei de idéia! haha'

    Parabéns pelo conto!

    Abraços! ;*
    ❤ Letras Eternas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dayane, sem palavras para agradecer tuas palavras... bom, apenas um obrigado então.

      Valeu mesmo; volte sempre!

      Excluir
  4. Um conto que servia na perfeição para a época do Haloween! Gostei muito! Boa imaginação ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joaozinho, meu velho, minha imaginação não é maior do que a tua generosidade.

      Volte sempre!

      Excluir
  5. Oi Roberto, tudo bem?

    Uai! Que desfecho é esse? Li o conto e fui achando que seria uma bela história de ajuda, onde o homem e o menino se encontrariam em uma mesma alma e seriam felizes. Adoro quando sou surpreendida pela escrita, quando um autor consegue impressionar, ainda mais quando isto é feito em poucas linhas. Esse toque sobrenatural, com toda certeza foi o grande diferencial. Parabéns! Você tem muito talento!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, obrigado. Obrigado. E mais outro obrigado.

      Se viu talento na forma como escrevo, não morrerei de fome, não é mesmo? kkk

      Volte sempre!

      Excluir
  6. Uau! Não esperava nada disso ao começar a leitura. Gostei do desfecho sobrenatural e da pontada de criatividade, mas sou do tipo que ama contos compridos, e achei o seu um pouco curto. Admito, porém, que seja o tamanho certo para a maioria amar! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovanna, não escolho o tamanho que um conto meu vai ter. São eles quem escolhem, rs, não posso fazer nada enquanto a isso. Mas se gostou mesmo do conto que escrevi, pode voltar que lerá contos ainda melhores. E de vários tamanhos, rs.

      Obrigado pelas palavras gentis.

      Excluir
  7. Oiii!!

    Eu tenho uma relação de amor e ódio com relação a contos! Amo pela facilidade e encanto que trazem em suas palavras e odeio pq acaba sempre muito rápido e eu quero mais.
    Você escreve muito bem e eu fiquei encantada, já vou deixar nos favoritos para ler os outros! Parabéns.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula, que bom que tenha gostado deste conto pelo menos, rs.

      Obrigado pelos elogios. Continue acompanhando o blog!

      Excluir
  8. Coitado do Hiroilto, não deveria ter saído de casa!! Pensou que estivesse fazendo uma boa ação ajudando o menino e se deu mal! Gostei da sua escrita, parabéns pelo conto!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cidália.

      Contente que tenha ficado satisfeita com o que leu, rs.

      Excluir
  9. Cara...
    Gostei muito do seu conto, o CD é o mesmo que estou pensando né, do livro escrito pelo BS?
    Parabéns, continue com seus contos, eles são ótimos, principalmente quando está chegando ao clímax.
    ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jean, CD é uma abreviação de Conde Drácula, isso mesmo.

      Volte sempre, brother!

      Excluir
  10. Eu realmente gosto da sua escrita, moço. Só não entendi bem a forma que decidiu ambientar São Paulo no texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, coletivo.

      Sobre o conto ser ambientado em São Paulo, foi um capricho e uma ousadia da minha parte mesmo, rs. Quis ser original, rs.

      Excluir
  11. Olá,Rob!
    Como sou muito ,mas muito medrosa mesmo,então jamais darei carona a um estranho e este seu texto me fez ficar com mais medo ainda,rs.
    Sua escrita é perfeita e parabéns por mais este conto maravilhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado e volte sempre. O medo é bom, contanto que não nos paralise, rs.

      Abraço.

      Excluir
  12. Nossa, que sinistro. kkkkkkk
    VocÊ escreve extremamente bem, mas confesso que fujo de tudo que tenha a ver com terror.
    Mas li todo o conto viu?! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vanessa.

      Volte sempre porque aqui não posto contos apenas de terror, rs.

      Excluir
  13. Oii, tudo bem?
    É a primeira vez que leio alguma coisa sua e tenho que te dizer, você tem talento. Eu adorei o conto e o tema dele, principalmente seu desfecho. Com certeza irei ler o outros que você postou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovana, palavras generosamente maravilhosas foram essas as que você deixou no comentário; obrigado de verdade!

      Tomara que goste também dos demais contos!

      Excluir
  14. Meus parabéns!
    Me surpreendeu e é por essas e outras que eu amo contos, pois eles possuem algo que de alguma forma os deixa mais atraentes, não é somente algo mítico e só a fantasia, vai além da escrita e do escritor, obrigada por escrever esse ótimo conto.
    Queria eu ter esse dom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amiga!

      Também adoro fantasia e o mítico em um conto, não necessariamente juntos.

      Esse conto eu escrevi depois de uma reportagem sobre uma nevasca nos EUA que eu vi em um jornal. Não havia vampiros nessa nevasca, isso foi ppor conta da minha imaginação mesmo, kkk.

      Volte sempre!

      Excluir
  15. Sem palavras. Confesso que ainda estou com medo. Hahahaha Sério, sabe quando seu coração fica meio travado enquanto você lê algo? Bem assim. Muito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Suellen, que bom que gostou... pode-se dizer que gostou não é, rs?

      Volte sempre p/ ficar com mais medo ainda, rs. Minha imaginação não tem limites, rs.

      Abraço

      Excluir
  16. Por isso que não se pode dar carona para estranhos, não importa a situação ahahahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Thais, aprendeu a lição, não é, rs?

      Também acho p-h-o-d-á-s-t-i-c-o este conto!

      Excluir
  17. Não esperava esse desfecho!Coitado do Hiroilto kk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julia, obrigado pelo teu comentário. Não imagina o quanto fico feliz em saber que os finais dos meus contos surpreenderam o leitor.

      Obrigado mesmo e volte sempre!

      Excluir
  18. Olá Rob, esse conto só veio afirmar ainda mais a admiração que tenho com a forma que você escreve, apesar de não ser muito fã de contos, o seu me prendeu a atenção do início ao fim e como boa amante de historias de terror, adorei o final! Parabéns pela ousadia de incluir São Paulo na história, achei surpreendente.
    Abraços e sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renally, agradeço o comentário e a gentileza dos elogios.

      Que bom que gostou, também gostei de escrevê-lo. Sou um escritor de sorte, rs.

      Um abraço vampiresco e congelado p/ ti, rs!

      Excluir
  19. "Vá embora, demônio!” exatamente o que eu falaria nessa situação HAHAH Parabéns pelo conto, o timing ficou ótimo e a sua escrita bastante coesa. Daria um ótimo livro, né?
    Já estou a ler os outros contos :D

    Abraço!
    lupiliteratus.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabio, divertido esse conto, não? Também gosto bastante do final.

      Abraço e valeu pelo comentário!

      Excluir
  20. Oi Roberto tudo bem?
    Mesmo não lendo muitos contos sempre um ou outro chama atenção, e esse é um deles! não esperava por esse desfecho, da até um medinho né?
    Bjs Jany

    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, medinho, medo e medão, rs!

      Valeu pelo comentário! Volte sempre!

      Excluir
  21. Final inesperado, Roberto! hehe
    Espero pelos próximos o quanto antes. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Isabella, legal que gostou!

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  22. Eu gosto de ler contos!! Caramba, num é que com uma criança no contexto de uma estória de terror deixa o negócio muito mais assustador, pq da criança a gente não espera um ataque de vampiro! Seu conto é bem uma viagem surreal né, com neve em são paulo a absolutamente ninguem na rua, muito original. Vou seguir o seu blog também! Hoje tirei o dia para fazer essas interações e estou vendo muito do mesmo. Sao raros os blogs que apelam tao bem para a originalidade. Abraços! Thata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Thata, pelo teu comentário; ganhei o dia!

      O conto tem uma pegada surreal bem legal. não é? Modéstia parte, também gostei.

      Obrigado pela visita, volte sempre!

      Excluir
  23. Fiquei presa no conto do início ao fim! Consegues sempre surpreender-me !
    Vou ficar à espera de mais :)
    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Rapariga, obrigado pelo comentário e pela visita!

      Excluir
  24. O aprendemos com seu conto?
    Aprendemos o que nossos pais já nos falavam quando eramos pequenos "não fale com estranhos" hehehehehehe
    Gostei muito do final, bem surpreendente.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helema, hehehe. obrigado pelo teu comentário. Que bom que o final do conto é quase unanimidade.

      Volte sempre!

      Excluir
    2. Oiiii, achei teu texto genial.

      Eu quando li o título eu imaginei centenas de situações que tu poderia desenvolver, mas nunca que a criança seria, digamos, a vilã da narrativa. O texto tá bem conciso e está maravilhoso, passou a mensagem sem muito rodeio. Arrasou.

      Excluir
  25. Nossa, me surpreendi ali no final, não esperava que fosse assim ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Andressa, obrigado por ler meu conto, e que bom que consegui surpreendê-la om o final. Espero que p/ melhor!

      Volte sempre!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)