Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Conto: Salvando o Coelho.


“Está pronto?”

“Tudo pronto.”

“Posso soltar o coelho?”

“Pode soltá-lo. Mas o solte apenas. Não o jogue.”

“À caça!”

O coelho branco não percebeu o que lhe aguardava. A doze mil pés de altura, só foi perceber que seria jogado para fora do avião no momento em que sentiu que ninguém mais o segurava, que despencava do céu como um anjo rejeitado pelo seu Senhor.

Cláudio, que até então o segurava no colo com gentileza e proteção, o colocou para fora da aeronave com uma das mãos, soltou-o no ar e saltou atrás, seguido por Celso, segundo paraquedista do esquadrão e seu amigo de longa data.

Desesperado, o coelho branco, indefeso e o único inocente de tudo que se passava, debateu-se violentamente nos primeiros quinhentos metros da queda, mas, depois, se resignou com o pior, parando de se contorcer. Teve a certeza de que ia morrer da forma mais estúpida que um coelho havia morrido em toda História conhecida: caído de um avião, no céu de um cafezal.

Mas, afinal, por que é que os dois paraquedistas soltariam o coelho de um avião para depois irem à sua caça? Se perguntasse o que fez para eles, a resposta é rigorosamente nada: o que só aumenta a estupidez do feito. Era tudo um jogo, um desafio irresponsável cujo vencedor seria aquele que salvasse o coelho.

Um dia antes, sem nada prestável para fazer, foi Cláudio quem convidou Celso para o desafio; Celso mostrando certo receio em relação ao plano horas antes do embarque. Temeu que, por algum motivo suficientemente plausível para qualquer um com o mínimo de discernimento, não conseguissem salvar o coelho.

“Mas se a gente não conseguir pegá-lo?”

“Por que a gente não conseguiria alcançá-lo? É um coelho que não pesa quase nada: vai ser como pegar um travesseiro no ar. Deixa de ser frouxo!” - Cláudio insistiu. - “Qual é, companheiro? Não acha que ele vai sair voando para longe da gente quando for solto do avião, acha?” - instigou o amigo.

“Não sei, não.”

“Sabe sim.”

Cláudio não precisou insistir muito para que Celso concordasse.

“Pensando bem, você tem razão. Vai ser divertido até.”

Na perseguição ao coelho, Cláudio esteve o tempo todo mais perto do coelho pois havia sido justamente ele quem saltara primeiro, logo após tê-lo soltado. Sobrevoaram uma fazenda de café durante o desafio: sugestão do piloto no momento em que foi convidado pelos dois colegas a participar do desafio.

“É só por precaução.” - argumentou, o piloto, receoso. - “Vai ter muito céu e muita terra. Ninguém vai atrapalhá-los.

O coelho pertencia a filha única de Celso, Maria Isabel. No que Celso saiu de casa para ir ao hangar se encontrar com Cláudio e com o piloto, duas horas antes do que geralmente saía de casa para o trabalho, entrou no quarto da filha sem fazer barulho e sequestrou o coelho de uma pequena jaula de ferro que servia como sua casa, levando-o consigo.

Ultrapassado cinco mil pés de distância da queda, Cláudio, pela primeira vez durante o voo, começava a ficar verdadeiramente preocupado de que não pudessem alcançar o coelho ao tempo em que Celso, um minuto depois, abriu o paraquedas. O coelho já não se contorcia mais, desesperado com o que lhe acontecia. A três mil pés de altura então, Cláudio, como uma flecha que perfura o ar, conseguiu finalmente apanhá-lo e, no segundo seguinte, abriu o paraquedas, a salvos. Ainda com o paraquedas aberto, percebeu que alguma coisa saíra fora dos planos.

Cláudio pousou no cafezal momentos depois, seguido por um Celso eufórico com o feito, que se aproximou.

“Foi mais emocionante do que esperávamos! Quando vamos saltar de novo?”

Cláudio respondeu com um semblante de gravidade estampado no rosto:

“Não vai haver outro salto.” - mostrou-lhe o coelho imóvel em suas mãos.

“Mas como é que ele morreu?”

“Deve ter morrido de medo.”

“De medo?”

“De infarto talvez.”

Celso pensou em Mabel no mesmo instante.

“Não é possível; deixe eu vê-lo!” - conferiu que o coelho que presenteara a filha no último aniversário não tinha sinais vitais, que ele havia realmente morrido.

“Que vai fazer?” - Cláudio perguntou.

Sentindo-se culpado pelo que havia acontecido, Celso fez um ensurdecedor silêncio antes de responder:

“Minha filha não precisa saber o que fizemos.” - apressou-se em explicar. - “Vou levá-lo para casa e, quando me disser que seu coelho está morto, eu a confortarei dizendo que compro outro igual. E pronto.”

Cláudio não viu defeito no plano do amigo. Olhou em seus olhos firmemente, com a segurança de quem concorda com o que acabara de ouvir.

O dia começava a amanhecer. Então, Celso deixou o cafezal e se apressou em voltar para a casa, levando o coelho morto dentro da mochila, no lugar do paraquedas. Ao chegar em casa, ainda com a roupa de paraquedista, certificou-se de que a esposa ainda não havia acordado e entrou no quarto da filha para colocar o coelho morto dentro da sua casinha. No instante seguinte de tê-lo colocado, a pequena Mabel surpreendeu Celso, flagrando-o dentro do quarto, de frente para a jaula.

“Deu ração para o Peludinho?” - perguntou-o.

Celso olhou para a filha, nervoso. Não conseguia responder nada.

“É cedo ainda, Peludinho não está com fome.” - Mabel não esperou resposta e se sentou na lateral da cama. - “Ele deve estar dormindo.” - disse.

Logo depois, para o pânico de Celso, Mabel se levantou e caminhou até a casinha do coelho para vê-lo de perto.

“Viu? Ele está dormindo mesmo.” - disse ao pai.

Mabel voltou a dormir enquanto que Celso foi para o banheiro trocar de roupa. Pôs a roupa de paraquedista para lavar e, sem fazer barulho, entrou no quarto onde a esposa dormia pesadamente.
“Vou preparar uma caneca de leite morno. Você quer?” - sentou-se na cama, acordando a esposa.
“Não, meu amor, obrigada.” - a esposa agradeceu. E quis saber. - “Mabel ainda está dormindo?”

“Sim, não se preocupe.”

Celso foi para a cozinha tomar o leite morno. Estava muito nervoso e extremamente preocupado com a reação da filha quando tomasse conhecimento do que provocara. Enquanto esteve na cozinha, ficou o tempo todo ensaiando uma forma de reagir à sua tristeza. Meia hora depois, Mabel apareceu com o coelho deitado no colo.

“Que aconteceu, meu docinho?” - Celso repousou a caneca sobre o balcão e se preparou para confortar a filha.

“Nada, pai.” - Mabel respondeu. Acarinhava o coelho com o amor de sempre. - “Peludinho está dormindo.” - a menina disse baixinho ao pai ao ver que ele olhava fixamente para o seu colo.

“Não pode ser verdade.” - Celso soltou um riso de puro inconformismo.

Se aproximou da filha e, mesmo com alguma resistência por parte dela, pôs a mão sobre o coelho. Percebeu que ele, de fato, dormia; vez ou outra, até mexia as orelhonas brancas.
A menina, sem entender o que Celso queria dizer, indagou-o:

“Que é que não pode ser verdade, pai?”

“Nada, docinho.”

E Celso foi correndo para o quarto se confessar com a esposa. Tudo aquilo não fazia sentido algum, começando pelo fato dele próprio ter cometido o erro, o crime. Mabel seguiu-o. Adentrou o quarto e se aproximou da cama cuja esposa dormia pesadamente, um dos braços caído em direção ao chão.
“Meu bem, acorde!”

A esposa não acordou.

“Cristéia!” - deu-se por conta ali mesmo que uma coisa insuportavelmente mais terrível havia se passado no quarto enquanto estivera na cozinha: a morte fulminante da esposa e do feto que ele só foi tomar conhecimento horas depois que ela carregava no ventre. - “Não me deixa! Volta para mim, meu amor!” - implorou.

Abraçado com o corpo da esposa deitado na cama, Mabel e o coelho se aproximaram da lateral da cama.

“Que aconteceu com a mamãe?” - a filha perguntou.

Celso respondeu:

“Nada, docinho, mamãe está dormindo.”

“Que horas ela acorda?”

“Não, docinho, você não entendeu. Mamãe não vai acordar.”

“Por que, papai?”

“Porque Deus quis, docinho, porque Deus quis.”

Dias depois, coisas tão ou mais piores continuaram acontecendo, definitivas ou não, provocadas ou não, mas nada com o coelho ou com a pequena Mabel. Cláudio e o piloto morreram de desastres aéreos, uma praga abateu-se sobre o cafezal que não deu mais nenhum pé saudável de café e Celso ficou cego do nada.

“Deus não gosta da gente, papai?”

“Boa noite, docinho.”

FIM.

36 comentários:

  1. Que sinistro!
    Confesso que no início estava com dó do coelho, mas ao desenrolar do conto fui ficando com medo e por fim, mais medo ainda.
    Ainda bem que li mais cedo hoje, senão, não ia conseguir dormir.
    Beijo
    Cássia Pires

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cássia, coelhinho sinistro mesmo, rs.

      Obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Ok, estou extremamente baralhada com este conto, pela primeira vez! :o Acho que vou ter de reler e reler outra vez para entender. Ou talvez seja mesmo assim... Será esse o propósito?
    De qualquer das formas, e apesar de ter ficado bastante triste por ver tal malvadeza com o coelho (sou muito defensora dos animais!), acho que deve haver aqui a genialidade tipica da sua escrita! Vou ler mais uma vez!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia, leia sim., rs, o conto tem mesmo uma narrativa descontínua e um tanto quanto caótica, kkk

      Obrigado pela visita.

      Excluir
  3. Que coelho macabro. Eu estava doido pra comprar um coelho e colocar o nome dele de Pernalonga, você me fez desistir. Conto alucinante e ao mesmo tempo aterrorizante, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franklin, não faz isso não, rs.

      Vai culpar meu conto por ser pão-duro, vai? kkk

      Abraço, amigo.

      Excluir
  4. Respostas
    1. Obrigado, Coletivo.

      Contente que tenha gostado.

      Excluir
  5. Meu Deus que final é esse.
    Fiquei com pena do bichinho e de todos da família, mas eu entendi que o conto nos mostra que aqui se faz e aqui se paga.
    Adorei seu conto principalmente por essa pegada macabra.
    Beijuh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Renata. E que bom que gostou.

      Volte sempre!

      Excluir
  6. OMG! Que conto foi esse!!!
    Adorei o plot twist ali no final - tanto que não esperava aquilo. E ainda mostrou que temos que tomar cuidado com as nossas atitudes, pois elas podem trazer resultados não muito bons.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina, obrigado por seu generoso comentário e que bom que a surpreendi.

      Diz o ditado popular: AQUI SE FAZ, AQUI SE PAGA! rs

      abraço.

      Excluir
  7. Hahaha que TOP esse conto!
    No início esse coelho até me cativou, mas depois que coelhinho macabro.
    Tenho um certo apego por histórias que envolvem animais. Lembro-me de um coelho arteiro que tive na infância.
    Parabéns pelo post, por que você merece mesmo!

    Att,
    Gabriel José
    Blog Combo Pop

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gabriel.

      Também tive um coelho quando criança e era tão branquinho quanto o da foto, rs.

      Abraço e bem-vindo ao blog!

      Excluir
  8. Deixou pra mim um grande sinal de exclamação.O coelho não poderia ter simplesmente desmaiado? Os acontecimentos posteriores tiveram relação com o coelho? Exclamação foi o que sobrou para mm no final.Muito bem escrito como todos os seus textos! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adriana, vamos às respostas:


      Não, o coelho não desmaiou. Ele morreu na queda do avião, enquanto os paraquedistas tentavam resgatá-lo. Teve um ataque fulminante do coração.

      Sim, todos os acontecimentos posteriores têm relação com o coelho.

      Obrigado pelos elogios; volte sempre!

      Excluir
  9. Existe mesmo essa máxima de que "aqui se faz, aqui se paga". Seria, então, esse o caso? Muito bem escrito! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Laysla, essa é a ideia central do conto.

      Obrigado pelos elogios e pela visita. Volte sempre!

      Excluir
  10. Meu Deus, esse coelho me despertou vários sentimentos haha. Já disse e repito, adoro o que você escreve e tô com um apego real por esse conto por me fazer sentir uma inconstância de sentimentos e opiniões. Parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios e comentário, Camille. O coelho é muito fofinho e sinistro.

      Volte sempre!

      Excluir
  11. Sinistro! Fiquei pensativa depois de ler esse conto ;)

    ResponderExcluir
  12. Assim como a maioria dos comentários acima, senti que o conto deixou um Q de suspense no ar, e pra entendê-lo acho que vou precisar ler mais uma vez, mas assim como o conto da Menina de Gabrovo é igualmente encantador. Sinistro, mas ainda sim encantador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thayama, obrigado pelo comentário.

      Que bom que gostou!

      Excluir
  13. Nossa! Parabéns! O conto me deixou completamente aflito, e no começo eu fique com tanta dó do coelhinho rsrsrs
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Daniel, o conto mesmo uma certa aflição suspensa no ar. Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  14. Boa noite Rob, eu hein, texto sinistro kkk esse coelho tem poderes ou é feiticeiro, credo. Muito bom, gostei.
    Parabéns.
    Abraços,
    Uiara Melo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uiara, kkk, coelho sinistro de fato!

      Um coelho sobrenatural. O que não é nada sobrenatural é a máxima de que aqui se faz, aqui se paga.

      Obrigado pelo teu comentário!

      Excluir
  15. Nossa! Que conto! Muito bom para refletir nas coisas que fazemos!
    Me senti absorvida na sua escrita, parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!

      Volte sempre! Desde já, fica o convite para ler o próximos.

      Excluir
  16. Fiquei muito aflita e triste com o que aconteceu com a esposa dele, e tudo aquilo de ruim...
    Teve o ensinamento de não fazer com os outros o que não gostaríamos que fizessem conosco. As consequências são muito tensas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suellen, de fato, tem muita tensão no conto. Assim como você também acredito que tudo tem uma consequência.

      Obrigado pelo comentário e pela visita!

      Excluir
  17. Ah, e parabéns pelo conto. Sempre surpreendente!

    ResponderExcluir
  18. Oie, tudo bem? Que conto mais triste e assustador. Primeiro sentimos dó, depois medo, e depois ainda pavor. Muito bem escrito como sempre. É impossível não ler até o final e ficar preso à história. Sucesso! Beijos, Érika ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Érika, esse conto é uma montanha russa de emoções? kkk

      Também acho isso. Tentei ser o mais abrangente possível.

      Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)