Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

CAPÍTULO 10: Céu de Balões (1° Parte).


O primeiro balão surgiu no primeiro minuto da manhã, assim que os primeiros raios de Sol iluminaram o acampamento, e, por ser apenas um, não havia despertado a atenção de ninguém. Mas, tão logo o céu encheu-se deles, tornou-se absolutamente impossível não vê-los ou admirá-los.

“São lindos, realmente!” - exclamou, Zita, ao ver Julia e Klara observarem, enfeitiçadas, os balões colorirem o céu.

“Aonde eles estão indo?” - perguntou, Klara.

“Estão indo para um vale muito bonito.” - Zita respondeu.

“Onde fica esse vale?” - quis saber, Julia, sem desviar o olhar dos balões. - “É longe daqui?” - perguntou.

“Bom, apesar de não conhecer o vale pessoalmente, sei que é um pouco longe daqui.” - respondeu, Zita, ressaltando. - “Todos que já estiveram lá, dizem que é um lugar maravilhoso e que as meninas brincam o dia todo, sem se cansarem.”

“Tem menina lá?” - perguntou, Klara, que, de repente, ao ouvi-la, ficou com uma enorme vontade de conhecer o vale.

“Sim, querida.” - Zita respondeu. Sua voz, propositadamente, ecoava num tom de fantasia. - “Lá, vivem muitas meninas.” - revelou. - “Elas brincam o dia inteiro e não se machucam.”

“Elas não se cansam e não se machucam?” - perguntou, Julia, surpresa. - “Por que?”

“Porque lá não existe cansaço e nem perigo.” - assegurou, Zita. - “É um lugar sagrado, protegido por Deus.”

Ao avistar os balões, Boris, que dormia do lado de fora da tenda de Zita, voltou a ficar eufórico e pôs-se a latir. Correndo de um lado para o outro, fez, a todo custo, chamar a atenção de sua dona.

“Quieto, seu malvado!” - Julia o repreendeu, dizendo. - “Não é só você que está vendo os balões, eu também estou vendo eles.”

Não menos impressionado, Milosh se aproximou da irmã e comentou:

“Com eles tão colados uns aos outros, fica difícil escolher o mais bonito.”

“Bom dia.” - Zita o cumprimentou e, descontraidamente, perguntou. - “Por que alguém escolheria o mais bonito se pode contemplar todos?”

“Tem toda a razão.” - concordou, Milosh.


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

12 comentários:

  1. Lindo conto!
    E concordo com a Zita," porque alguém escolheria o mais bonito se podemos contemplar todos?"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cássia, rs... continue acompanhando!

      Excluir
  2. Oi Rob, que conto bacana.
    Narrativa leve e doce.
    Gostei muito.
    Abraços,
    Uiara Melo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uiara, leves, doces e bacanas são seus comentários no meu blog.

      Obrigado. Volte sempre!

      Excluir
  3. Que conto lindo!! Quero ler os capítulos anteriores! Por aqui vejo algumas pipas de vez em quando e gosto de admirá-las. Quanto aos balões a Zita tem razão, todos são lindos, não tem como escolher apenas um para contemplar!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cidália, leia sim. Estão todos no blog.

      Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  4. Todas as vezes que venho aqui eu fico com dó do Boris. O bichinho só quer brincar e vive sendo chamado de malvado, não é justo. Malvada é a Júlia que vive brigando com ele. rs.

    Continuação excepcional Camilotti, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Frank, que continue gostando da história porque ainda tem muito mais por vir, kkk

      Volte mais vezes!

      Excluir
  5. Excelente texto! Gostei da continuação do texto e é uma leitura muito bacana de se fazer.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gabriel, fico contente em saber que gostou.

      Excluir
  6. Oi Rob! Tudo bem? Já me tornei uma admiradora do seu trabalho, parabéns!
    Sobre o conto, achei lindo! Fiquei encantada, você narra a historia de uma forma leve e fica uma leitura agradável. Já estou ansiosa pela continuação.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Renally, muito gentil da sua parte esse comentário.

      Volte mais vezes!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)