Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Crônica: Refugiados do Pão.


Poucos dias atrás, publiquei um conto neste blog, intitulado Cartas de um pai ao filho, cartas do filho ao pai, cuja história aborda o drama de um pai e um filho sírios ao fugirem da gerra em seu país e irem para a Europa. Diferente dos outros contos que venho postando por aqui, este é narrado por cartas que os dois personagens pretendiam entregar um ao outro quando se reencontrassem. Pois bem, gostei tanto do resultado do conto que venho compartilhar com todos os leitores as minhas impressões a respeito do que acontece na Síria.

Faltam palavras ao mesmo tempo que multiplicam-se e se tornam cada vez mais complexos os sentimentos ao acompanhar tamanho drama. Como se fossem uma sucessão de notícias repetidas, vejo nos telejornais bombardeios, embarcações com refugiados sendo resgatados pela marinha italiana, outros sem esta sorte afundam matando dezenas ou centenas deles. Em uma destas embarcações estava o menino sírio Alan Kurdi, pode ler uma ótima reportagem a respeito de sua história feita pela BBC Brasil clicando AQUI. Alan Kurdi tornou-se um dos símbolos deste flagelo humano ao ter seu corpinho exposto em uma praia turca com uma camisetinha vermelha e o rostinho de cara na areia, algo que me chocou tanto que chorei no mesmo instante que tomei conhecimento da tal foto no programa Estúdio I, da Globo News.

Antes da guerra, minhas únicas referências sobre a Síria eram o famoso pão homônimo e a nacionalidade de muitos empresários que fizeram fortunas em países ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Com a guerra, os crimes, o descaso o Estado Islâmico e a barbárie é que se tornaram então minhas únicas referências, as duas últimas, uma redundância, quase a mesma coisa.

Bashar al-Assad é um déspota que tem, em outros líderes ao redor do mundo, cúmplices, afinal, para toda uma tirania que persiste, há sempre uma consequência ainda pior, interesses transnacionais envolvidos. Há de se enfrentar o mau a qualquer custo.

O drama na Síria, ao que parece não terá fim tão próximo, mas terá um fim e, de alguma forma, ele representa como um teatro de horror a própria jornada da civilização humana, caótica, entremeada por guerras e cheia de simbolismos: um presente tão diferente e tão igual aos primórdios.

4 comentários:

  1. Oi Rob, tudo bem?

    Sua crônica ficou muito boa e creio que todos os seres humanos compartilhem do mesmo sentimento em relação a essa guerra da Síria. É doloroso ver como famílias estão sendo destruídas e atacadas pela barbárie de um "ditador". O pior ainda é ver a população lutando entre si, e crianças como o menino que você citou, perdendo sua vida ou ficando com marcas que se perpetuarão. Excelente post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Alice, mas antes fosse apenas a barbárie de um ditador. É a barbárie de um ditador, o esfarelamento de um povo e a conivência do resto do mundo.

      Agradeço pelo teu comentário.

      Excluir
  2. Olá, Roberto.
    Gostei bastante da crônica e sem sombras de dúvida vou ler o conto. A guerra é um assunto que me deixa muito triste, porém é algo necessário a se buscar compreender, e que faz parte do mundo, infelizmente.
    Eu já li muitos livros envolvente a primeira e segunda guerra mundial, e ultimamente li uma HQ que falava sobre a Palestina, é impossível não se sentir lá, não desejar que as pessoas pudessem tentar se entender, ao invés de destruírem umas as outras. Pior ainda, existem muitos inocentes no meio do caos criado pelas guerras, pessoas que se pudessem não estariam inseridos naquela ambiente.

    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato, obrigado pelo teu sensível comentário. Concordo com tudo que disse. A humanidade avança, mas é aos sobressaltos, avança com voos e galinha, rs.

      Volte sempre!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)