terça-feira, 28 de março de 2017

POESIA: Invenção da Saudade por Outros Nomes.


A Saudade, fina névoa.
Contagiosa pelo sangue.
Onde crescem os sentimentos.
A que envenena os futuros,
por todo o sempre, o antes!

Fina névoa aos companheiros.
Põe amigos a toda prova.
Complicadas desse jeito:
a Saudade, pequeno mau atroz!

Cicatriza mas não tem cura.
Nunca serve a quem a sente.
Saudade essa dos que padecem.
Veneno doce, o medo de frente!

Da mais simples à opulência,
sentimento triste, adentra moradas,
faz-se mais rude nos soldados,
batalha insana, o pior das guerras?
É farda de nuvem! Fígado. Barrigada.

Um sussurro fino, moribundo.
Saudade, aquilo que se inventa.
Sejam amigos, sejam amantes,
de gestos nobres e elegantes,
delírio humano, humanidade atenta?

Dos sentidos e sentimentos,
o saudosista é costumeiro.
Cresce, cresce, incomoda,
iguala vítimas ao prisioneiro!

Castidade nua, S de sal:
invenção ingênua do Tempo.
Saudade: fé com Carnaval?
Saudade com S de sentimento.

Nos meninos, paixão no homem,
nas meninas, mulher intensa.
Todos os nomes da Saudade,
dá-se o amor em recompensa.

Mais que uma falta por outros nomes,
pouco em pouco, tecendo teias.
De gente fina e de gente pobre,
de fato lógico e de fato nobre,
dos bem-nascidos e dos sem cobre,
seria, a Saudade, santo capricho de Deus?

20 comentários:

  1. Olá! Essa foi forte, me tocou, talvez porque ando demasiado saudosista. É saudade dos outros, saudade daquilo que erámos, enfim... Como é que essa palavra pode existir apenas na língua portuguesa?
    Muito bom ;) Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia, pois é. Somos todos então dado os tempos amargos atuais, hehe.

      A palavras pode só existir na língua mas o sentimento certamente é universal.

      Abraço.

      Excluir
  2. Gostei muito. Fiquei saudosista com suas palavras.
    Gostei demais dessa frase "Cicatriza mas não tem cura". Exatamente assim.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Fernanda, siga acompanhando o blog!

      Excluir
  3. Poema lindo! Saudades da infância, saudades da minha avó, saudades de não ter que me preocupar tanto! Excelente como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelo comentário!

      Volte sempre!

      Excluir
  4. Olá!
    Que poesia linda e profunda!
    Viajei por estes lindos versos e senti saudades.
    O verso "cicatriza mas não tem cura", me tocou.
    Amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gatinha, que bom que amou!

      Siga acompanhando o blog, abraço!

      Excluir
  5. Que belo poema!! Como você disse, a saudade cicatriza mas não tem cura. Sinto saudades de meus pais, de meu irmão, da minha sogra. Enfim, sinto saudades de pessoas queridas que fizeram parte da minha vida e partiram. Amei! Parabéns!!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cidália, se nos serve como conforto, o que é certo é que, se hoje somos saudosos, amanhã, se Deus quiser, sentirão saudades de nós, hehe. A única certeza que temos.

      Siga acompanhando o blog!
      Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  6. Oi! Gostei bastante da poesia! Me fez percorrer vários pensamentos. Gosto muito dos seus textos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Daniel, feliz que tenha gostado.

      Volte sempre p/ acompanhar as próximas!

      Excluir
  7. Uma poesia poderosa, meu amigo, muito forte. Intensa, tal qual a saudade que a humanidade sente. Uma falta do que aconteceu, uma esperança pelo que virá e a, não tendo outra palavra, saudade do que não aconteceu. Possibilidades, caminhos misteriosos, o futuro incerto... Saudade atravessa o tempo, passado, presente e futuro. Que intenso.
    Ótima poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lunewalker, fico feliz que tenha gostado.

      Siga acompanhando o blog que mais poesias virão por aqui; abraço!

      Excluir
  8. Oi, Rob... estou passando por uma situação ligada à saudade, a dúvidas e tristeza... sua poesia me tocou bastante. Achei super completa e cheia de sentimentos. Posso dizer que é minha favorita, pois me identifiquei muito. Sou fã!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Suellen, como sempre bastante carinhosa com esse blogueiro que vos tecla, haha; volte sempre!

      Excluir
  9. Capricho sim. Ou não? HAHAHAHA. Saudade é uma coisa tão desnecessária as vezes que a vida toma um certo ruma na nossa vida e diz: "Vou te fazer sofrer rapaz", e essa danada entra na brincadeira. Adorei a poesia porque ela pode mexer com quem lê de uma forma muito íntima e isso que é o bom das poesias. parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Jalysson, feliz mesmo que tenha curtido!

      abraço, velhote!

      Excluir
  10. Oi!
    Adoro esses textos mais profundos.
    Quem é que não sente saudade de alguma coisa ou momento? Acho que isso que faz o texto tocar todos os leitores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Sabrina, a saudade, de todos os males da alma, o mais comum.

      Abraço.

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Humanidade em Mim (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Albert Camus (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) Baruch Espinoza (1) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Capitalismo Selvagem (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Cem Anos de Solidão (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Clóvis de Barros Filho (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Destrato. Contrato. Distração. (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dissidência (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (14) Estrela Azul (1) Fausto (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Franklin Leopoldo e Silva (1) Friedrich Nietzsche (1) Gabriel García Márquez (1) Gênio da Alma (1) Goethe (1) Guimarães Rosa (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) Hannah Arendt (1) Hipnose do Desamor (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imaginando Como Seria (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Joana Rodrigues (1) Jogo da Conquista (1) José Garcez Ghirardi (1) Leandro Karnal (1) Literatura Oral (1) Luís Mauro Sá Martino (1) Luiz Felipe Pondé (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Marcus Mazzari (1) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Mauricio Marsola (1) Me Convence? (1) Meio Rato Meio Gato (1) Michel Foucault (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Negritude Distraída (1) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Caso da Borboleta (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Oswaldo Giacoia Junior (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pedro Paulo Braga de Sena Madureira (1) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (104) Poética do Morro (1) Pontas Soltas (1) Povo Bobo de Novo (1) Primavera das Neves (1) processo criativo (1) psicanálise (1) Quando Ainda no Tempo (1) Quase Tudo! (1) Que Deus me Leve! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quem Somos Nós? (11) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Scarlett Marton (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Sigmund Freud (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (3) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Três Carências da Vida (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (13) Vovó Yordanka (3) William Shakespeare (2) Zygmunt Bauman (1)