Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

quinta-feira, 9 de março de 2017

POESIA: O Coração de Natalina.


Secas e fome.
Sol de Agreste.
Dureza, dureza!
Natalina Fernandez,
a mãe da tristeza!

Um marido covarde.
O Genivaldo que amava.
Feliz? Pelo mundo?
Cigano de estrada!

Barriga vazia e a alma no chão.
Natalina Fernandez não tinha dinheiro e nem FÍOS.
Graças a Deus!

Sofrida, sofrente.
Um doce de fé!
Sonhava e sonhava:
Misericórdia, meu Deus!

De fibra, silvestre,
sozinha, MUIÉ.
Coragem, coragem!
Aquela que respira fundo, levanta a cabeça e enfrenta mil demônios em pé.

Outono de oitenta,
então, decidiu:
Chega, eu cansei!
PRA SUMPAULO, MIMBORA!
E não é que partiu!

Arara em arara,
em SUMPAULO chegou!
Capital do dinheiro,
a Cidade do Horror.

Cimento e ferro,
os PRÉDIO nas NUVEM.
Natalina não se acovarda.
BATAIA, BATAIA!
É demitida pelas PATROA,
mas não desisti da luta!

Aos setenta e sete, há de resistir até o fim!

Barriga vazia,
nativa do chão.
Natalina, a perfeita!
Repressão de polícia,
pactua com o Cão.

Ao chegar NAS QUEBRADA,
sentou e chorou.
Um cara pergunta:
Por que choras, dona?
Prazer, seu protetor!

TRABAIANDO PROS CARA,
na vida, se fez.
Natalina, valente,
perdeste de vez!

Pobre e bandida.
A alma vendeu.
Menina do agreste.
Pei! Pei! Pei!
PROS TIRA, ajoelhou, levou três PIPOCO na cara e morreu!

18 comentários:

  1. Oie

    Que talento!! Parabéns!
    Lindo contar a história de Natalina e versos. Triste fim.

    Abraço
    Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Fernanda, triste mesmo, rs... nem eu esperava ter chegado nesse fim, hehe

      Abraço.

      Excluir
  2. Parecia que eu estava lendo um conto huehue me lembroyu faroeste caboclo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pareceu? Vish

      E não é que parece mesmo, hehe

      Excluir
  3. Como assim você não escrevia poesias antes? Que forte e marcante! Que história tão bem contada! Parabéns, Camilotti!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eliziane, não escrevia, pode crer. Mas vontade sempre tive. Não me considero um poeta, rs. A poesia está sendo um feliz achado em minha vida depois desse blog.

      Siga acompanhando o blog!

      Excluir
  4. Muito boa poesia. Gostei de mais. Parabéns Roberto!

    ResponderExcluir
  5. Nossa.... assim, eu acho incrível como voce consegue retratar tao bem as coisas que acontecem no nosso país, em forma de poesia.
    Ficou maravilhoso, mesmo sendo uma triste verdade. Parabéns, sensacional!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Anne, país sofrido de uma gente criativa. Realidade dura mais igualmente bela.

      Abraço. Volte sempre!

      Excluir
  6. Oi Rob! Ainda não conhecia esse seu lado poético, como essa Natalina existe tantas outras no nosso pais não é? Uma pena essa triste realidade que vivemos, linda e impactante sua poesia, adorei.
    Parabéns, sucesso.
    Abraços, Renally

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, feliz que tenha gostado. Realidade triste de fato.

      Obrigado também pela visita.

      Siga acompanhando o blog.

      Excluir
  7. Oii, tudo bem?
    Até pouco tempo atrás eu não gostava de poesia, mas depois que passei a acompanha-la em alguns blogs, estou me apaixonando. E pode ter certeza que O Coração de Natalina entrou para a minha lista de favoritos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Giovana, muito honrado em ter minha poesia como uma das suas favoritas. Valeu mesmo!

      Siga acompanhando o blog que mais virão por aqui!

      Excluir
  8. Olá td bem?
    Adorei a poesia, parabéns você escreve muito bem, sucesso :)
    Descreveu a triste realidade de muitas pessoas na história da natalina...

    bjs
    blog encrespa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Blog Encrespa, feliz que tenha gostado do que escrevi.

      Volte sempre!

      Excluir
  9. Você é um verdadeiro poeta! Escreve muito bem e já era para estar nesse mundo da poesia faz tempo! Obrigada por compartilhar conosco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Suellen, tomei coragem p/ exibir meus sentimentos e divagações, hehe

      Abraço!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)