Aviso aos Leitores!

Tudo que é postado por aqui é escrito e idealizado por Roberto Camilotti, autor do blog, que é mantido por anúncios e cujas postagens são de literatura em geral.

Não plagie e nem copie! Na dúvida, entre em contato!

terça-feira, 4 de abril de 2017

POESIA: Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português.


Eis por que eis aos poetas da vez!
Conheceu-se, ele, um Shakespeare e seu melhor português.

Orador às olivas anunciando vida às cortiças:
Eis o melhor português!
Conhecido nas Califórnias, na real e nas imaginárias:
desbravador da Bahia, do Belgrado e do Monterey!

Shakespeare, um misterioso que se achava burguês.
O grego e o romano: eis por que eis!
Dizia-se, ele, poeta de dentro da alma, o que falava ao futuro, um patrício e um cigano.
Conheceu-se, ele, de um sangue perdido, renegado, mas não menos bretão.

Eis por que eis, aos poetas da vez!
Conheceu-se, ele, profeta letrado, sábio dos sábios, andarilho montanhês!

Farfalhava-se, ele, dos fundamentos do uso da língua.
Shakespeare, eis por que eis o Lusitano, o de sempre e o da vez!
Dramaturgo esquecido: o da Família Cortêz, o que nunca se fez!
Do romance à comédia: um louco que só versava ser rei por ser insano.

Eis por que eis:
O de nome Octávio Shakespeare de Guimarães e Cortêz!

Não conhecia-se sem glórias. O poeta dos Açores prussianos: o pai de todos nós!
Shakespeare das folhas, primo escriba Russo, a semente moderna do ser europeu.
Eis por que eis um velho ainda que jovem: o próprio futuro!
Shakespeare das folhas, um yankee pretérito, o da Família Cortêz!

Eis porque eis:
Bom! Poeta! Português!

22 comentários:

  1. Eu sempre gosto dos som das palavras quando um poema rima, é melódico e agradável de ler.
    Ter um português bom é minha meta de vida e acho que dê muitos escritores, só por eu escrever um livro, conto ou poemas as pessoas acham que eu devo saber todas as regrinhas chatas da nossa língua.
    Eu bem que queria saber mesmo, mas eu nunca me tornaria aquela pessoa esnobe que ganha um ar superior nos seus textos por conta de sua escrita difícil. Tem textos que parecem até arrogantes de tão bem escritos (isso para mim não é bom) tudo na sua medida certa, nem 8, nem 80 kkk
    www.dobbyapresenta.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Os teus textos nunca desiludem :)
    Boa continuação de produção de excelente conteúdo! Parabéns! :3

    Beijinhos,
    Mii
    Comic Life Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Mariana, obrigado pela visita e pelo comentário!

      Excluir
  3. Admiro sua criatividade e a forma que você escreve, um poesia melhor que a outra. Parabéns! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Cíntia, legal que tenha gostado; volte sempre!

      Excluir
  4. Oi Roberto, mais uma vez nos presenteando com versos cheios de criatividade! parabéns pelo belissimo trabalho!

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Janiele, siga companhando o blog pq mais coisa boa surgirá por aqui!

      Excluir
  5. Olá, tudo bem?
    Gostei do texto, só não entendi...é seu? Se for, parabéns!
    Acredita que nunca li nada do Shakespeare? Hahaha. Sei que é vergonhoso, mas um dia, a leitura sai.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Esther, sim, a poesia é minha. Também nunca li nada escrito pelo bardo, mas o carinha mandava bem; não acha, hehe?

      abraço!

      Excluir
  6. Confesso que não sou adepta a ler poesias, mas gostei de ti e de seu blog prometo voltar mais vezes, texto e conteúdo de muita sensibilidade e realismo. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Alfas, volt sempre então!

      Será bem-vindo!

      Excluir
  7. Este poema é um poema mais profundo do que a maioria pode ver, pois o que mais gostei nesse Shakespeare, é o fato Como mesclar os acontecimentos reais e as coisas imaginárias como a viagem para Califórnia, e também o seu estado de auto conhecimento.. como ele se auto conhece não só pelo seu nome mas pelas demais habilidades que ele se considera ter. Esse poema é um auto retrato? Achei muito massa! Acho que você iria gostar também de ler o Gregório de Matos, também conhecido como boca do inferno que escreveu e no século XVI. Parabéns Roberto pelo belo poema! Bjo! Thata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Thata, pelas generosas e reflexivas. Adorei seu comentário. Sobre a pergunta: não, não é um autorretrato; elo menos não conscientemente, hehe.

      Abraço e obrigado pela visita! Volte sempre!

      Excluir
  8. Oi Rob, tudo bem?

    Como sempre seus poemas conseguem ir no mais profundo da alma, não são apenas um jogo de palavras, são palavras que caminham juntas e possuem algo bem mais profundo do que se pode imaginar. Adoro ler as coisas que você escreve, pois sempre me passam uma boa impressão e reflexão.
    Mais uma vez você cumpriu o seu papel e conseguiu atingir o leitor completamente!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Alice, amei seu comentário. Valeu mesmo por tamanho apoio e consideração ao meu trabalho. Fico feliz que tenha te tocado tanto assim; também me sinto quando os escrevo. Talvez por isso agrade tanto, haha.

      Siga acompanhando o blog!
      Boa noite.

      Excluir
  9. Que bela homenagem esse poema, adorei a musicalidade e esse resgate do "espírito" shakespeariano no poema!
    Beijos

    https://labirinticasleituras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Nunca li algo desse moço do nome difícil de escrever. Curti e confesso não entender várias referências a ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jalysson, não são necessariamente referências a ele. Também nunca li nada dele. Foi tudo escrito na base do talento e da intuição, rs. Pouco humilde fui agora, hehe.

      Excluir
  11. Parabéns pela criatividade!
    Adoro seus textos pois são sempre variados os temas e são muito agradáveis de ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Sabrina, feliz que goste dos meus textos!

      Siga acompanhando o blog!

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Coincidência U (1) A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Alegoria do Fogo (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cabeça de Cachorro (1) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Cartas de um pai ao filho cartas do filho ao pai (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) contos (16) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) De uma breve vida breve em Edvard Hespanhol (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (2) Estrela Azul (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Forçosamente (1) Gênio da Alma (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Isaurinha e Seu Fernando (1) Jack um Construtor de Faróis (1) Jogo da Conquista (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Meio Rato Meio Gato (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Arquipélago dos Morangos (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Iluminado Às Favas (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) poesias (88) Poética do Morro (1) Povo Bobo de Novo (1) processo criativo (1) Quase Tudo! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quente e Frio (1) Quilômetro Cinza (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sacha e Peter um Beijo de Pizza (1) Salvando o Coelho (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (2) Terra Iluminada (1) TMM - O Cruel Destino de um Homem Bom (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Urso Antes e Depois do Homem (1) Uva Verde (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (1) Vovó Yordanka (3)