quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Manifestos da Infância: Aninha, Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes.


Dona Fada já preparava o café da manhã para a filha antes que os primeiros raios do Sol atravessassem a janela do quarto. Carinhosa, mostrou capricho no modo com que decorou os bolinhos com minúsculos confeitos coloridos e creme de chocolate, e igualmente foi sua dedicação ao picar um punhado de frutas, selecionando-as uma por uma, para fazer a mais colorida das saladas de frutas que já existiu. Fez também uma jarra de vitamina com leite gordo, iogurte, mel, morangos e cereais, cortou fatias de pão salgado que havia passado boa parte da noite preparando e as recheou com queijo cremoso feito em casa. Fez tudo sem pressa. Uma maravilha!

Amava muito Aninha, uma fadinha simpática, feliz e não menos graciosa. Depois de arrumar o café da manhã na mesa, Dona Fada foi até o quarto da filha e a acordou com um beijo no rosto.

-Bom dia, minha querida. - disse, perguntando. - Está com fome?

Aninha deu um longo bocejo e balançou a cabeça para cima e para baixo, respondendo que sim.

-Ótimo, porque eu também estou com fome.

Dona Fada, percebendo o sono, não hesitou em ajudá-la a despertar de uma vez. Agitando sua varinha mágica no ar, fez com que as cortinas se abrissem e a luz do Sol inundasse o quarto. A claridade é um ótimo despertador natural, além de ser muito usada pelas fadas na hora de acordarem suas filhinhas.

Aninha se levantou da cama em seguida e foi direto para o banheiro, onde lavou o rosto e escovou os dentes, para, então, ir tomar o café. Esse era um ritual que a fadinha cumpria todas as manhãs, logo que acordava. Quando chegou na cozinha, viu o banquete colocado na mesa.

-Obrigado, mamãe. Será que eu vou conseguir comer tudo?

-Tudo? - Dona Fada a encarou, pensativa. - Acho improvável. - respondeu. Enquanto olhava para a mesa e em tom de brincadeira, concluiu. - Como eu já disse, estou com muita fome. Eu te ajudo a comer tudinho. Não vai sobrar nada.

Aninha abriu um largo sorriso, achando graça na descontração da mãe.

-Tudinho mesmo? - perguntou.

-Tudinho. Sou capaz de comer até a mesa.

-Comer a mesa? - Aninha arregalou os olhos. - E as cadeiras, também? - perguntou.

-Tudinho, tudinho, tudinho. - a fada materna insistiu na brincadeira.

Satisfazia-se enormemente e sempre que via um sorriso se abrir no rosto da amada filha. Assim sendo, certa de que realmente estava com muita fome, muita fome mesmo, Aninha sentou-se na cadeira mais próxima da porta da cozinha e começou a tomar o café. Pediu um dos bolinhos caseiros à sua mãe, que a atendeu prontamente, depois quis uma porção de salada de frutas, duas fatias bem grossas de pão e uma caneca cheia de vitamina.

-Que delícia! - exclamou após tomar um gole da vitamina.

Dona Fada a seguiu na comilança. Sentou-se na cadeira, pegou uma fatia de pão e também encheu a sua caneca com vitamina. Metade de uma hora depois, Aninha terminou de tomar o seu café e esteve bem alimentada. Dona Fada, entretanto, havia preparado mais uma surpresa.

Disse, ela:

-Eu tenho um presentinho para você, minha querida.

-Um presente para mim?

-Isso mesmo, ele está no seu quarto.

Definitivamente, aquele estava sendo um dia muito especial para Aninha, muito mesmo. Num súbito contentamento que só se fazia crescer, ela exclamou:

-Eu imaginava que a gente só ganhava presente quando fazia aniversário!

A atenciosa fada fingiu surpresa com o comentário da filha.

-É mesmo? - a fada materna perguntou inocentemente.

-Aham. - a pequena fadinha acenou que sim

Aninha era uma criaturinha que só gerava amor em sua volta. Antes de correr para o quarto para pegar seu presente, ela se levantou da cadeira e beijou Dona Fada no rosto.

-Obrigado, mamãe. - agradeceu novamente. - Eu te amo muito.

-De nada, minha querida, também te amo. - Dona Fada a abraçou. - Te amo muitíssimo mesmo! Você é uma filha carinhosa, obediente e gentil. Merece ganhar um presentinho de vez em quando.


* * * * *

Sem fazer qualquer esforço para minimizar seu entusiasmo e sua curiosidade, Aninha não ficou mais nenhum segundo longe do presente: foi correndo para o seu quarto e viu um par de sapatinhos cor-de-rosa brilharem como pouquíssimas coisas no mundo seriam possíveis de brilhar. Estavam ajeitados caprichosamente, um do ladinho do outro, na beirada da cama.

-Gostou do presente? - perguntou, Dona Fada, ao ver o contentamento estampado no rosto da filha.

-Aham, muito. - respondeu, a menina fadinha, balançando a cabeça afirmativamente. Ao tocar nos sapatinhos, ela perguntou. - Como sabe que a minha cor preferida é rosa?

Meu Deus, como as fadinhas podem ser tão puras! Quem olhasse para o quarto imediatamente veria que a pergunta tinha uma resposta mais do que óbvia. Tudo, exceto as cortinas que eram azuis, tinha os tons da sua cor preferida. Aninha era apaixonada por tudo que lembrava rosas.

Dona Fada se abaixou na altura da filha e, olhando-a com descontração, respondeu:

-Um passarinho fofoqueiro me contou.

-Um passarinho? - Aninha a encarou, surpresa. - De que cor era esse passarinho?

-Um passarinho que também era cor-de-rosa. - afirmou então, Dona Fada, ludicamente.

Assim que ouviu a resposta, Aninha imaginou um passarinho cor-de-rosa fofoqueiro piar no ouvido de sua mãe e achou a cena muito engraçada. Aliás, poucas meninas fadinhas no mundo não veriam graça nisso.

Em seguida, calçou os sapatinhos de brilhantes que couberam perfeitamente nos seus pés.

-Eles são confortáveis? - perguntou, Dona Fada.

Aninha balançou a cabeça, respondendo que sim:

-Aham, eles são.

De fato eram extremamente confortáveis. Aqueles sapatinhos, além de macios, se encaixaram tão perfeitamente nos pés de Aninha que pareciam terem se ajustado magicamente.

Enquanto Dona Fada observava a filha próxima da porta do quarto e presenciava seu entusiasmo com os presentes, a fadinha deu alguns passos para o lado e percebeu que, durante a curta caminhada, eles brilharam com mais intensidade.

-Olha, mamãe, os sapatinhos estão brilhando com mais força! - Aninha exclamou ao olhar para baixo e mexer os pés.

-Sim, querida. - assentiu, Dona Fada, que ainda revelou um detalhe especial do presente que havia dado. - Os sapatinhos são mágicos, por isso é que eles brilham quando você anda.

-Mágicos? Que eles fazem?

-Realizam desejos.

-Que tipo de desejo?

-Qualquer desejo. - Dona Fada respondeu e explicou brevemente. - Com os sapatinhos calçados, você fecha os olhos, faz um pedido do fundo do coração e chacoalha os pés.

Assim sendo, sem perda de tempo, Aninha fechou os olhos e pôs-se a pensar o que pedir.


* * * * *

Foi assim que Aninha realizou seu primeiro desejo: chacoalhou os pés de olhos fechados e seus sapatinhos brilharam segundos antes de um enorme coelho cor-de-rosa, com orelhas gigantes, surgir no quarto.

-Puxa vida, minha querida, você pediu um coelho e tanto! - exclamou, Dona Fada, surpresa e quase caindo para trás. - Ele é muito mais grande do que qualquer outro no mundo e também é cor-de-rosa! - emendou ao mesmo tempo em que se mostrou espantada com o desejo da filha e era observada com ternura pelo animal.

-Ele não é fofinho? - perguntou, Aninha, emanando alegria.

-Aham, muito. - respondeu, Dona Fada. - Ele é bem fofinho, o problema é que é grande demais. Não podia ter pedido um coelho um pouquinho menor, querida?

A menina fadinha pouco pensou para responder que não.

-Eu sempre quis ter um coelho gigante. - disse. - Prometo que vou cuidar dele.

-Promete mesmo?

-Prometo. - assegurou, Aninha, logo perguntando. - Posso ficar com ele?

-Está bem. - aceitou, Dona Fada. Carinhosa, a fada materna olhou para o coelho e atestou à filha. - Você tem razão, minha querida. Ele até que é bem fofinho, apesar do tamanho.

Neste meio tempo, ora confuso, ora assustado, o coelho apenas arrebitou suas enormes orelhas e recebeu vários abraços amorosos de Aninha. Era como se ele se mostrasse muito mais surpreso por ter aparecido naquele quarto do que a própria Dona Fada havia se mostrado ao vê-lo.


* * * * *

Tão logo teve o primeiro desejo atendido pelos sapatinhos de brilhantes, Aninha fez a seguinte pergunta:

-Posso fazer um outro, mamãe?

-Sim, minha querida. - respondeu uma Dona Fada que era observada de perto pelo coelho cor-de-rosa.

-Oba!

Antes de fazerem brilhar os sapatinhos, Aninha voltou a fechar os olhos e colocou-se a imaginar o que poderia ser seu segundo desejo.

-Que eu vou pedir? - em voz baixa, a menina fadinha se perguntava. E pensou. - Eu tenho tudo: tenho uma mãe que me ama, tenho um quarto, tenho brinquedos e tenho até muitas amigas para brincar. Que será que eu quero agora?

Não demorou muito para que Aninha encontrasse a resposta. Mentalizou fortemente outro coelho cor-de-rosa, chacoalhou os pés, fazendo com que seus sapatinhos novamente brilhassem, e viu seu primeiro pedido se multiplicar por dois.

-Minha nossa, outro coelho! - exclamou, Dona Fada, surpreendida com o segundo desejo da filha.

Com um olhar de espanto e como que respondendo a surpresa de Dona Fada, o segundo coelho também externou assombro por sua aparição no quarto, ao mesmo tempo que Aninha agora mostrava uma alegria duplicada em ver que tinha dois coelhos gigantes para brincar.

-Ele não é fofinho? - perguntou.

Dona Fada, sem saber muito o que responder, acenou que sim com a cabeça.

-Aham, minha querida. - disse. - Ele é muito fofinho.


* * * * *

Os dois coelhos se ajuntaram num canto do quarto e não fizeram cerimônia ou rejeição à presença de um ao outro. De imediato, ficaram amigos. Mesmo assim, Dona Fada não conseguia deixar de observá-los com certo ar de preocupação. Não tinha medo deles pois, apesar de serem bem mais grandes do que o normal, eram mansos, carinhosos e dóceis. Sua preocupação se limitava ao pouco espaço que tinha dentro de casa para abrigá-los com conforto.

-Onde eles vão ficar, minha querida? - perguntou à filha, referindo-se aos coelhos.

A resposta pareceu ser bastante óbvia para a menina fadinha.

-No meu quarto. - respondeu. Ingenuamente, concluiu. - Eles vão dormir junto comigo, na minha cama. São meus filhinhos.

Dona Fada sorriu com a resposta.

-Na sua cama?

-Isso mesmo. - assegurou, Aninha, que, com uma alegria que só se fazia crescer, exclamou ainda para Dona Fada. - A gente vai dormir bem juntinho, vai ser muito legal!

Na cama mal cabiam um dos coelhos, quiçá os dois coelhos juntos. Cada um deles tinha mais do que o triplo do tamanho da menina fadinha. Dona Fada, assim sendo, sem insistir com a preocupação, limitou-se a sorrir prazerosamente enquanto presenciava a alegria da filha, que, por sua vez, ansiosa em ver seus sapatinhos brilharem novamente, tornou a perguntar:

-Eu posso fazer outro desejo?

-Outro desejo? - apreensiva, Dona Fada parou de sorrir no mesmo instante. - Que você vai pedir? - perguntou já desconfiando qual seria a resposta.

-Eu quero outro coelho cor-de-rosa. - Aninha respondeu.

-Outro coelho cor-de-rosa! - Dona Fada quase se derramou para trás. - Tem certeza, minha querida? - questionou-a, trêmula e com os olhos bem arregalados.

Aninha só pode ter brincado com a mãe ao responder que queria outro coelho cor-de-rosa; já tinha dois! Mas não brincou.

-Aham. - respondeu que sim. - Você sabe que eu sou apaixonada por coelho e que também amo muito cor-de-rosa, não sabe? - destemida, sonhadora e determinada, Aninha era pura felicidade.

-Sim, minha queria. - Dona Fada autorizou que a filha fizesse o terceiro pedido então. - Que mau há em ter mais um coelhinho gigante, não é mesmo? – fez a pergunta a si própria.

A pequena fadinha chacoalhou os pés alegremente e fez com que seus sapatinhos mágicos voltassem a brilhar, enquanto que os dois coelhos gigantes levantaram as orelhas, encolheram os focinhos e correram, assustados, para cima da cama, que se partiu ao meio com o peso dos dois. Pareceram adivinhar o exato instante que o terceiro coelho cor-de-rosa apareceu no quarto.

FIM

38 comentários:

  1. Conto mais querido, mais puro! Vou guardar para ler à minha afilhada, se me permite!! :)
    Boa escrita, parabéns ;)

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia, leia para ela, sim.

      Depois, me dia o que ela achou?

      Excluir
  2. Own... Que lindo... É seu?
    É tão raro encontrar história assim nos dias de hoje. Com temas leves e ao mesmo tempo muito boa. Parabéns, se for sua.
    Beijos!
    http://vaiumspoilerai.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lilian, a história foi escrita por mim, sim.

      Obrigado pelos elogios.

      Beijos para você também!

      Excluir
  3. Que estória deliciosa! Fico imaginando eu com um sapatinho mágico, acho que não ia querer coelhos gigantes! heheh Acho maravilhoso o universo lúdico infantil (e das fadas, claro), como o simples pode se tornar tão extasiante. Perfeito!

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Evandro...

      Fico feliz por, de alguma forma, ter resgatado tua criança interna, ter revivido tua infância.

      Volte Sempre!

      Excluir
  4. Oi Rob, tudo bem?

    Poxa, eu amei a história, é realmente linda. Adora essas fábulas que envolvem magias e aquietam o coração, levando paz ao mesmo. Queria uma dona Fada na minha casa também haha
    Você escreve muito bem, Parabéns!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, bem-vinda ao meu blog das maravilhas! Desculpe o trocadilho, rs...

      Obrigado pelas palavras; volte sempre!

      Excluir
  5. Que fofura! Meus Parabéns!
    Você escreve extremamente bem, leitura suave, fácil entendimento.
    Estou encantada!
    Sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, que seu encantamento nunca se acabe...

      Caso acabe, volte ao blog correndo! Quem sabe não consigo encantá-la de novo... abraço.

      Excluir
  6. Não sou muito fã desses contos fofos.
    Tenho uma sobrinha que ama fada, vou mandar para minha irmã ler para ela.
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode mandar, mas diga que foi o Tio Roberto quem escreveu, rs.

      Excluir
  7. Esse é o segundo conto seu que leio e já posso dizer que a forma como você escreve é encantadora. Esse não é o tipo de conto que costumo ler mas você conseguiu me prender até o final, parabéns! Esse é um conto inocente, puro e muito adorável, já posso até vê-lo num livro de contos infantis <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta responsabilidade a minha, Laura, rs... mas obrigado!

      Tenho a vontade de publicar livros infantis. Seriam ilustrados.

      Volte sempre!

      Excluir
  8. Oie

    Adorei o conto. Vc é muito bom eecrevendo. É difícil hoje em dia achar histórias assim, inocentes e realmente infantis. É muito bom saber que alguém ainda quer manter esses contos. Parabéns e muito sucesso. 😙

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelos elogios ao conto e a minha escrita, Gisele. Adoro a história também.

      Que bom que gostou: volte sempre!

      Excluir
  9. Aaaaahhhhh!!! Esse conto é tão fofo que quero abraçar ele!!! Ou um coelho gigante cor-de-rosa!!! O resgate da pureza da infância, com certeza!
    Parabéns Rob!!! Ficou Show!!

    Bjooos
    passageirodasletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Dayanne, fico feliz que tenha gostado!

      A infância deve sempre ser resgatado, principalmente depois de uma certa idade que a gente acha que a vida é só pagar impostos e reclamar depois. Sejamos sempre crianças!

      Volte sempre!
      ABRAÇO

      Excluir
  10. Que interessante,o amor da mãe, a inocência e alegria infantil, o poder de ter desejos realizados e a graciosidade da escrita. Muito bom. Parabéns!

    Abs

    www.ocaosfeminino.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Marizoch, que bom que te agradei.

      Volte sempre.

      Excluir
  11. Desse jeito você vai fazer eu criar um zoológico kkk. Eu já estava apaixonado pelo Boris e agora um coelho gigante? Onde eu acho essa fada pra pedir um igual rs. Sabe Camilotti, essa estorinha ficou muito "Cut cut". Eu já tive medo de algumas de suas histórias, já me encantei por outras como a do Boris, mas cara... Nessa você se superou, nem existem elogios para qualificar essa estória, só me resta dar os merecidos parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frank, você jé é parceiro. Vou ignorar teu comentário, rs.

      Brincadeira, rs. Obrigado mesmo. Também adoro esta história.

      Excluir
  12. Fantástico seu texto! Estou cada vez mais gostando a escrita. Os personagens são extremamente cativantes ^^
    Por mais textos assim ^^

    ResponderExcluir
  13. Olá,Rob!
    Que coisa mais linda e que doçura.Pode ter certeza que irei ler para o meu pequeno João.Ele tem 7 aninhos e como ama histórias,vai amar esta também.
    Beijos e continue nos encantando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Cássia, lia sim e me diga se ele gostou.

      Certamente, adorará!

      Excluir
  14. Oi Rob,

    Esse é o primeiro conto seu que leio e preciso dizer que fiquei realmente tocada por toda ternura que você conseguiu transmitir. Realmente, você escreve muito bem! Além disso, durante o texto você conseguiu manter a minha curiosidade acesa.. fiquei ansiosa para terminar. Quero um par desses sapatos! Minhas prateleiras também não iriam aguentar!!

    Parabéns,

    https://prologodaleitura.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maritza, obrigado pelas encantadoras palavras e que bom que gostou!

      Também adoro e me divertido toda vez que leio ela de novo. Talento a parte, sou um escritor de sorte.

      Até a próxima história?

      Excluir
  15. Adorei o conto. Me lembrou um livro infantil chamado a Fada que tinha ideias. Uma gracinha! Devia escreve-lo em concursos!

    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por teu comentário, Luísa, e também pelo elogio. Me deixou feliz em saber que gostou tanto assim.

      Volte sempre!

      Excluir
  16. Olá td bem.
    Nossa parabéns pelo texto, muito bem escrito adorei, muito doce. Dá vontade de ficar lendo, merece ser compartilhado com outras pessoas, muito bom, adorei :)

    Bjs blog encrespa

    ResponderExcluir
  17. Olá Roberto!
    Gosto tanto da tua escrita! :) Apaixonei-me completamente por este conto, tão puro e tão cheio de boas energias! Fez-me lembrar uma menina que vi no outro dia, numa loja, os pais deram-lhe uns sapatinhos rosa brilhantes, estilo bailarina e ela não descansou enquanto não os calçou, sozinha, porque ela era muito teimosa, e os foi mostrar a toda a gente! Que amor <3

    Kiss,
    Mii
    Comic Life Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Mariana, fico enormemente feliz por ter lhe proporcionado boas lembranças.

      Obrigado pelo teu comentário, elogios; e volte sempre!

      Siga acompanhando o blog!

      Excluir
  18. Oi tudo bem? Nossa seu texto é muito amável, me lembra quando eu era criança e lia poesias e contos <3 Ameiii mesmo

    ResponderExcluir
  19. Eu fico de cara lendo os seus textos porque parece que estou lendo textos de alguém profissional, você escreve tão bem que nos faz querer continuar lendo e lendo, é muito interessante ler textos assim e sobre esse conto eu simplesmente amei, quando vi o tamanho pensei: caraca, não vou ler, mas quando comecei só queria continuar, obrigado por esse conto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios, Camille, e que bom que meu conto lhe agradou!

      Continue acompanhando o blog! :)

      Excluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Humanidade em Mim (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Albert Camus (1) Âmago do Ser (1) Amalucado (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Arco-íris (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) Baruch Espinoza (1) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Capitalismo Selvagem (1) Cem Anos de Solidão (1) Cerimonial de Velas (1) Certa Estranheza (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Clóvis de Barros Filho (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Coração em Festa (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Descontrole o Tempo! (1) Destrato. Contrato. Distração. (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dissidência (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (15) Estrela Azul (1) Fausto (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Flávio Ricardo Vassoler (1) Flor da Juventude (1) Forçosamente (1) Fórmula da Vida vs. Fórmula do Amor (1) Franklin Leopoldo e Silva (1) Friedrich Nietzsche (1) Gabriel García Márquez (1) Gênio da Alma (1) Goethe (1) Guimarães Rosa (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) Hannah Arendt (1) Hipnose do Desamor (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imaginando Como Seria (1) Imaginatório (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Joana Rodrigues (1) Jogo da Conquista (1) José Garcez Ghirardi (1) Leandro Karnal (1) Literatura Oral (1) Luís Mauro Sá Martino (1) Luiz Felipe Pondé (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Marcus Mazzari (1) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Mauricio Marsola (1) Me Convence? (1) Medos Obscuros Medos de Tudo (1) Meio Rato Meio Gato (1) Michel Foucault (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Negritude Distraída (1) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Carvoeiro (1) O Caso da Borboleta (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Homem e o Cérebro (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Irmãos Karamázov (1) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Oswaldo Giacoia Junior (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Paz. Desassossego. (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pedro Paulo Braga de Sena Madureira (1) Pena Amarela (1) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) Peripatético (Significado) (1) poesias (122) Poética do Morro (1) Pontas Soltas (1) Povo Bobo de Novo (1) Primavera das Neves (1) processo criativo (1) psicanálise (1) Quando Ainda no Tempo (1) Quase Tudo! (1) Que Deus me Leve! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quem Somos Nós? (12) Quente e Frio (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Scarlett Marton (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Sigmund Freud (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sorte Comportamental (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (3) Três Carências da Vida (1) Tristeza e Angústia (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (14) Vovó Yordanka (3) William Shakespeare (2) Zygmunt Bauman (1)