A Menina de Gabrovo: Terceira Parte do Capítulo "O Dilema de Klara".


Se Liza podia ser considerada uma sólida e intransponível fortaleza, a menina, por sua vez, também era um oceano de doçura e persistência, cuja as ondas têm o poder de penetrar quaisquer muralhas.

Liza não resistiu ao sorriso de Klara. Perguntou:

"Qual história você quer?"

"Aquela da montanha." - respondeu, a menina, antes de um acesso de tosse. Conhecia a história, mas pouco se lembrava dela. - "Mamãe, o que eles eram mesmo?" - perguntou, referindo-se aos personagens da história.

"Ciganos." - respondeu, Liza. - "Eles eram anjos ciganos."

"E existem anjos ciganos, mamãe?"

"Sim, minha princesa." - respondeu à menina. - "Eles existem."

Deitou-se, então, ao lado da filha e, penteando com os dedos seus cabelos encaracolados, começou a contar a história:

"Havia uma montanha majestosamente cheia de vida. Ela era tão grande e tinha tantas árvores que só se podia vê-la, por inteiro, de muito longe." - imediatamente após começar a contar a história, Klara fechou os olhos e foi imaginando a montanha, os anjos, as árvores e tudo o mais que julgava caber nela. Com os olhos fechados e o coração totalmente aberto, a menina de Gabrovo viu-se saudável, livre da peste cinzenta que a fazia sofrer, e o ar preenchia seus pulmõezinhos com incrível facilidade. - "Dizem que a montanha foi nos oferecida por Deus em resposta à bondade dos homens." - Liza prosseguiu. - "No alto dela, bem perto do céu, os anjos ergueram um acampamento e não havia um só dia em que os anjos não dessem banquetes e não festejassem a vida..."

"E Deus?" - ainda com os olhos fechados, a pequena interrompeu a história.

Sem entender a pergunta, Liza a encarou.

"O que tem, Ele?"

"Deus também mora, com os anjos, na montanha?" - perguntou, Klara.

"Deus vivendo num acampamento!" - a jovem mãe exclamou e fez uma careta, arregalando os olhos. - "Sim, querida." - respondeu, levantando-se da cama. Logo em seguida, antes de voltar a deixar o quarto, beijou a filha no rosto e perguntou. - "Onde mais Ele moraria, senão com os anjos?"

Klara, logo em seguida, se apressou em pedir:

"Mamãe, me conta outra história."

"Sinto muito, mas já chega de histórias." - firmemente, Liza negou o pedido, explicando. - "Tenho muito serviço para fazer na cozinha e você precisa descansar."

A jovem mãe deixou o quarto e Klara, então, em meio aos acessos de tosse que a afligia, fechou os olhos e forçou-se a dormir.

Comentários