NAPOLEÃO E O MUFLÃO FRANCÊS: Segunda Parte do Capítulo.


Nesse meio tempo, a raposa de fogo espreitava cada mínimo gesto de Napoleão, pois não confiava nele, enquanto que Pedro, o muflão montanhês, continuava mostrando indiferença aos latidos que Boris lhes direcionava.

“Quieto, seu malvado!” - irritada, exigiu, Julia, ao cão búlgaro, que, dessa vez, a obedeceu, afastando-se de Pedro e indo para perto da raposa.

O imperador francês logo em seguida deu as costas às meninas e caminhou vagarosamente até o muflão, onde, com certa dificuldade, montou no lombo do animal.

“O Pedro seguiu a gente até aqui!” - exclamou, Klara, à amiga.

Devido ao tumulto, a pequena búlgara ainda não o havia visto.

“Quem é Pedro?” - perguntou, Napoleão, de cima do muflão.

“Pedro é o nome do nosso muflão.” - Julia respondeu.

“Está enganada, menina.” - retorquiu, Napoleão, sem perder o tom solene em sua voz. - “O nome dele é Luc.” - corrigiu-a.

“O nome dele é Luc?” - Klara se perguntou em voz alta, estranhando o nome.

“Exatamente.” - Napoleão respondeu. - “Esse é o nome que eu escolhi para ele."

“Mas a gente achou ele quando atravessou a ponte.” - a menina ruiva protestou.

“E a gente deu o nome Pedro para ele.” - complementou, Klara, referindo-se ao muflão da montanha.

“Que seja, chamem-no como quiserem.” - Napoleão as ignorou. - “Não me importa onde vocês o acharam, nem aonde ele as levou.” - vaidoso, declarou. - “O nome dele é Luc e assim será no dia de hoje, de amanhã e de todo o sempre.”

Nada puderam fazer para que o imperador voltasse atrás em sua decisão. Napoleão Bonaparte deu um tapa no lombo do muflão e Luc, então, começou a marchar, voltando a atiçar a euforia de Boris.

Julia, imediatamente, estreitou os olhos para o cão pastor e se desculpou, dizendo ao imperador francês:

“Perdoa ele, moço. O Boris não está acostumado com gente estranha.”

“Eu agora sou um estranho?” - perguntou, Napoleão, que parou no mesmo instante.

Mesmo que por uma inocente menina, ser classificado como estranho soou ao imperador como um grave insulto.

“Sim, um estranho.” - respondeu, Julia, normalmente. - “Afinal, a gente não te conhece.”


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

Comentários

  1. Olá, tudo bem? Venho lendo seus textos e tô adorando, além de escrever super bem, deixa um toque de quero mais em cada textinho, parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, Camille. Agradeço também os elogios.

      Volte sempre!

      Excluir
  2. Gostei especialmente do senso de humor nessa parte, Rob.
    Senti falta do link para a parte 1 no começo do post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vitor, obrigado pela visita e por mais esse comentário.

      Sobre o link da primeira parte, na coluna lateral do blog, estão todos os capítulos da série. Procura por "A Menina de Gabrovo (Trechos)".

      Valeu?

      Excluir
  3. Li a primeira parte e gostei muito da continuação da historia, você escreve muito bem e Estou gostando muito de te acompanhar.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Andy, muito gentis seus comentários!

      Volte sempre!

      Excluir
  4. Olá! Só senti falta da primeira parte que eu só achei o link no final. Mas gostei muito do texto, ficou bem legal e me deixou com aquela vontade de ler mais. Parabéns ficou perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniel, obrigado pelo comentário e que bom que gostou do que leu.

      Sobre o link, dá uma olhada na coluna lateral do blog que os capítulos estão todos lá! Procura por A Menina de Gabrovo.

      Excluir
  5. Quanta criatividade menino, fico extremamente feliz. Com isso percebo que sua leitura deve ser bastante assídua.
    Parabéns, <3

    www.mayentrandonoassunto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu mesmo, May! Sobre as minhas leituras, resumiria assim: leio bem mais do que posso e bem menos do que gostaria, kkk.

      ABRAÇO.

      Excluir

Postar um comentário

Caro leitor(a), seu comentário é importante por aqui. Diga-me suas opiniões ou impressões sobre a postagem que acabou de ler que as lerei com carinho.

Obrigado desde já!
Volte sempre!