PEDRO, O MUFLÃO DA MONTANHA (2° Parte do Capítulo).


Num segundo momento, ignorando totalmente a hostilidade de Boris, o muflão saltou da pedra e deu um passo na direção das meninas.

“Acho melhor a gente voltar.” - sugeriu, Klara, ainda mais apreensiva.

“Confia em mim, Klara.” - pediu, Julia, que, ao mesmo tempo, também se obrigava a ficar calma. - “Ele só quer ser nosso amigo.” - disse.

“Mas ele não vai deixar a gente passar.” - insistiu, a pequena búlgara.

O medo e a preocupação de Klara só se faziam aumentar.

“Não precisa ter medo.” - emendou, Julia, assegurando. - “Ele não quer machucar a gente.”

Em passadas vagarosas, o muflão passou por Boris, que rosnou furiosamente, e se aproximou das meninas, que, com muito esforço, não se moveram. Para a felicidade de Klara, que já esperava o pior, o muflão da montanha não as atacou. Ao contrário. Sem qualquer sinal de hostilidade, dobrou as patas dianteiras, reverenciando-as com a cabeça abaixada.

“Ele não é malvado.” - Klara, então, suspirou, aliviada. - “Ele é bonzinho.”

“Eu avisei que ele só queria ser nosso amigo.” - lembrou, Julia, não menos aliviada. - “Boris, seu malvado, fica quieto!” - repreendeu imediatamente, o cão pastor que não parava de latir e rosnar.

Ambas externaram surpresa com a docilidade daquele animal. Julia, no entanto, foi além. Ela se encheu de coragem e acariciou o muflão.

“Não precisa ter medo, ele é nosso amigo.” - disse, a menina, à amiga. - “Ele só queria que a gente fizesse carinho nele.” - completou.

Klara, então, fez o mesmo. Colocando-se ao lado da menina ruiva, ela passou a mãozinha entre os enormes chifres do muflão, que, surpreendentemente, se mostrou ainda mais gentil.

“Qual é o nome dele?” - quis saber, curiosa.

“Acho que ainda não deram um nome para ele.” - respondeu, Julia, dizendo. - “Mas a gente pode escolher um. O que acha?”

“Um nome para ele?”

“Sim.” - respondeu, Julia, que justificou. - “Todo o mundo tem nome; ele também merece ter um.”

Pensando, então, durante alguns instantes, qual nome mais combinava com ele, Klara sugeriu:

“Que tal Pedro?”

“Pedro?”

“Sim, o nome dele pode ser Pedro.” - assentiu, Klara. - “Pedro é um bom nome para ele.”

“Ótima escolha, Klara!”

Julia gostou do nome. Ela olhou para o muflão e o batizou.

“A partir de hoje, você tem um nome.” - disse. - “O seu nome é Pedro."


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

Comentários