Capítulo 16: A Despedida (2° Parte).


No momento em que o casal de balonistas se aproximava das meninas, Boris se levantou, sustentando-se nas patas traseiras, e lambeu o rosto de Doriana.

“Também senti a sua falta, Boris!” - exclamou, a bela balonista, penteando os pelos do animal com os dedos. Ao ver a menina de Gabrovo, cumprimentou-a. - “Como vai, pequena?”

“Estou bem.”

“A gente estava brincando com as minhas bonecas.” - Julia foi logo dizendo.

“E a gente deu nome para elas.” - emendou, Klara.

“Deram nomes para elas?” - Doriana fingiu surpresa.

“Sim.” - Klara confirmou.

“Quais?”

“Klara, Julia e Velislava.”

Doriana sorriu ao ouvir os nomes.

“Quando eu era pequena, também ficava horas brincando com as minhas bonecas.” - confidenciou, carinhosa. E revelou. - “Ficava tão feliz e despreocupada que sequer percebia o tempo passar.”

Surpresas com a confidência, Julia e Klara se entreolharam.

“Eu adorava brincar com elas. - continuou, Doriana.” - Elas eram muito bonitas!

“Quais nomes você deu para as suas bonecas?” - perguntou, Julia.

“Uma chamava Branka, a outra, Dana.” - a bela balonista citou os nomes que se lembrava. - “Tinha também a Valeska, a Ana e a Vera.”

Doriana ficou conversando com as meninas por mais algum tempo, até que Lazar se aproximou e ela, então, decidiu que seguiriam viagem o mais rápido possível.

“Não há mais o que esperar.” - disse, a balonista, ao amado, referindo-se à impossibilidade de que Klara pudesse reencontrar sua família. - “Partiremos agora mesmo.” - concluiu.

Enquanto ela reacendia a chama do maçarico, reaquecendo o ar dentro do balão, Lazar se abaixou na altura de Klara e revelou à menina:

“Tenho uma ótima notícia para lhe dar.”

“Qual?” - Klara perguntou.

“Vamos levá-la para a casa.” - revelou, o balonista búlgaro.

Julia, que vigiava Boris para que ele não voltasse a latir para o balão de Doriana, encontrava-se suficientemente perto da amiga para ouvir, com clareza, o que ela também havia escutado. - “Klara não vai querer ir embora.” - pensou, torcendo para que a amiga ficasse, para sempre, em sua casa. Sentiu um nó se formar na garganta, além de uma irresistível vontade de expulsar o casal de balonistas de sua casa. A menina ruiva estreitou os olhos para Lazar, mas se conteve e não fez nada. Limitou-se, apenas, a prestar atenção na conversa.


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

Comentários