POESIA: Osvardo: Terra dos Pedros.


Cidade média, Terra dos Pedros,
existiu matuto a destruir, brutal.
No peito seco, rachado e fundo,
fez-se, Osvardo, príncipe lacrimal.

O feminino das fêmeas.
Cavalo selvagem, o mais fraternal.
Osvardo das valas, o desvalido,
eis apenas um, mesmo sendo plural!

Amigos que o ouvem cantando,
gente desmerecida de maus.
Osvardo, andante mulambo!
Rio de lama sob canoa sem paus!

Falassem, as pedras, pedreiras e Pedros:
aquele Osvardo de vida banal!
Nascera bom, menino de Deus.
Dois destinos e nenhum por sinal!

Osvardo das serras do México.
Osvardo de um sonho natal.
Falassem, as pedras, pedreiras e Pedros:
você, Osvardo, indistinto amigo,
eis o eterno caído, inimigo do mau!

Comentários

  1. Rapaz, essa ficou massa!
    O melhor da poesia é conseguir contar histórias enormes em poucas linhas. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, feliz que tenha lhe agradado; obrigado por prestigiar o blog!

      Volte sempre!

      Excluir
  2. Adorei a poesia, adoro esse jogo de palavras, que juntas forma uma história, Esse trecho: "Eis apenas um, mesmo sendo plural" ficou muito massa...Show de bola!

    ResponderExcluir
  3. Adorei esse mundo extenso em poucas palavras.
    Parabéns pelo post ^^
    Bjs ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Kassia, recebi suas palavras com um trio elétrico passando pelo meu coração, hehe

      Volte sempre!

      Excluir
  4. Adoro suas poesias, você fica atento a leitura para não perder nenhum detalhe. Parabéns pelo dom! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cíntia, por prestigiar o blog!

      Volte sempre!

      Excluir
  5. Pelo que tenho percebido, você flutua ali entre o barroco e o pós barroco, neoclássico. Acho que você tem conseguido passar as impressões desejadas, só alerto para a coerência na hora de escolher as palavras das rimas. Um pequeno ajuste, e você será um legítimo súdito de Gregório de Matos, mesclando-se com Carlos Drumond.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anotado o conselho, Adriana. Obrigado. Siga acompanhando o blog!

      Excluir
  6. Oi Rob, tudo bem?

    Cada dia mais adoro as suas poesias, estão super bem construídas e com várias histórias nas entrelinhas! Elas sempre acabam tendo como tema central algo muito peculiar! Adorei!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alice, obrigado pelo apoio. Que bom que lhe agradei outra vez! Me esforçarei para manter o nível, haha.

      Volte sempre!

      Excluir
  7. Suas poesias ficam cada vez melhores, não é aquela coisa chata de ler como algumas poesias por aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, que maravilha, Ana, hehe!

      Obrigado mesmo!

      Excluir
  8. Oie, tudo bom?
    Já li uma poesia sua se não me engano, e é claro como um sonho de Natal como você vem melhorando! Parabéns, continue assim. Só tens a ganhar com esse talento e essa sensibilidade incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Jéssica, feliz que esteja progredindo aos seus olhos.

      Obrigado mesmo; siga acompanhando o blog!

      Excluir
  9. Olá td bem?
    Pra variar um pouco vc manda muito bem na escrita, parabéns, é um post melhor que o outro :).
    Bjs, blog encrespa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk, valeu, Blog; volte sempre a este humilde cafofo, hehe!

      Excluir
  10. Olá!
    Ainda não tinha lido essa e, mais uma vez, gostei muito de como fluiu... Venho acompanhando desde que publicou a primeira poesia e acho que tem vindo a mostrar evolução! Fã assumida aqui, já sabe! ;)
    Beijos

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bia, sei sim.

      E o contrário também é recíproco. Gosto de você.

      Excluir

Postar um comentário

Caro leitor(a), seu comentário é importante por aqui. Diga-me suas opiniões ou impressões sobre a postagem que acabou de ler que as lerei com carinho.

Obrigado desde já!
Volte sempre!