Primeira Parte de O Quadro Misterioso.


Quando atravessou o portão vazado de ferro, cuja a tinta preta se descascava e a ferrugem o corroía pelas extremidades, Klara se mostrou ligeiramente frustrada ao ver a casa onde a amiga morava.

“A gente chegou?” - perguntou, esforçando-se o máximo que podia para esconder seu desapontamento.

“Sim.” - respondeu, Julia, contente. - “Essa é a minha casa.”

A casa era simples, velha e mal cuidada. Os tijolos estavam aparentes, a varanda e o telhado eram sustentados por colunas de madeira, e, na parte externa, circundando toda a casa, o jardim era um gramado que parecia não receber cuidados há um bom tempo. Klara imaginava que Julia morasse em uma casa tão bonita e aconchegante quanto a sua. Não esperava que ela vivesse em uma casa abandonada.

Ao atravessar a porta, a menina de Gabrovo viu uma sala coberta por uma espessa camada de poeira, quase sem claridade alguma exceto a pouca luz do dia que penetrava pela janela entreaberta. Julia agarrou a mão da amiga e foram direto para o quarto.

“Vem comigo que eu quero te mostrar as minhas bonecas.” - disse, a menina ruiva, deixando Boris e Velislava para trás.

Elas passaram pela sala e percorreram um pequeno corredor até chegarem no quarto.

“Essas são as minhas bonecas!” - apontou para uma prateleira onde não havia nada mais do que três bonecas velhas e uma pilha de livros antigos.

A pequena búlgara, mais uma vez, respirou fundo para não transparecer a frustração que sentiu ao ver aquelas bonecas.

“Posso pegar uma?” - perguntou, normalmente.

“Claro que pode.” - respondeu, Julia.


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

Comentários

  1. Parece que esse conto vai ter um ensinamento bem forte no final, estou certa? Hahaha ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andressa, como vai? Na verdade, não é bem um conto. É um livro já publicado inclusive, chamado A Menina de Gabrovo.

      Sim, a história de Klara, a menina de Gabrovo, traz inúmeros ensinamentos.

      Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Por que tão pequeno, Rob?
    Seu estilo de escrita segue me fascinando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitor, porque os capítulos foram divididos em partes.

      Encare essa série de postagens do blog como pílulas de bem-estar, kkk.

      Abraço.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Gih, como vai? O restante do capítulo ainda não foi postado. Será postado no blog semana que vem.

      Excluir
  4. Deve começar dizendo logo que amei!
    Sou fascinada pelo mundo infantil, a simplicidade, inocência e o coração puro das crianças.
    Gostei muito da sua escrita, e a história está linda! Já me encantei pela Júlia, e quero mais!
    Parabéns, sucesso!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gatinha, obrigado pelo teu relevante e não menos carinhoso comentário. Valeu também pelos elogios. Volte sempre p/ se surpreender com as novas histórias que irei disponibilizando por aqui.

      Abraço.

      Excluir
  5. Ficou mesmo com gostinho de quero mais! Favoritei pra seguir acompanhando. Mas não demora que estou ansiosa. kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eiziane, você de novo por aqui, kkk?!

      Obrigado!

      Siga acompanhando o blog, não decepcionarei, rs.

      Excluir

Postar um comentário

Caro leitor(a), seu comentário é importante por aqui. Diga-me suas opiniões ou impressões sobre a postagem que acabou de ler que as lerei com carinho.

Obrigado desde já!
Volte sempre!