Viagem Inesquecível (Primeira Parte do Capítulo).


Um tom alaranjado e incomum iluminava as extremidades do céu na medida em que um Sol generoso se escondia no horizonte.

Klara viajava há horas.

“Falta muito para a gente chegar?” - ela perguntou ao casal de balonistas.

“Não, querida.” - respondeu, Doriana, pacientemente. - “Estamos quase chegando.”

Tinha pressa. Queria, logo, chegar em casa para reencontrar sua mamãe, enquanto que Doriana parecia achar graça que uma menina tão pequena conseguisse arranjar tantas perguntas. Klara mal podia imaginar é que não estava voltando para Gabrovo como pensava, mas, sim, para o Vale das Rosas. Sem querer, Lazar acabou revelando para onde estavam indo.

“Está curiosa para conhecer o vale?” - perguntou, o balonista, de repente.

“Qual vale?” - intrigada, Klara perguntou de volta.

“O Vale das Rosas.” - ele respondeu. E, logo em seguida, encarou a amada sem esconder seu constrangimento. Não era justo sustentar tal mentira. Klara tinha que saber a verdade.

“A gente não está indo para a minha casa?” - a pequena perguntou.

“Não.” - ele respondeu.

“Por que?”

Antes de responder, Lazar se abaixou e olhou diretamente nos olhos da pequena búlgara.

“Porque a sua mamãe não está mais lá.”

“Aonde ela foi?”

“Infelizmente, não sabemos.” - respondeu, Lazar.

Nesse meio tempo, fazendo o mesmo trajeto do balão roxo de Doriana, dezenas de balões começavam a surgir, deixando o céu mais colorido conforme se multiplicavam.

“Como ele é?” - perguntou, Klara, referindo-se ao vale.

“Ele?” - Doriana a encarou, sem saber a quem ela se referia. - De quem está falando? - perguntou.

“Do vale.” - a pequena respondeu.

“Imagine um imenso campo de rosas.” - em tom de fantasia, Doriana pediu, respondendo. - “Imagine um lugar onde a terra é perfumada e a pressa não governa ninguém; se é que algum dia o tempo governou por lá!”

A menina de Gabrovo fechou os olhos, tratando de imaginar uma linda plantação de rosas brancas, e Doriana, enquanto isso, continuou descrevendo o vale:

“Imagine um lugar onde o clima é sempre fresco, agradável, onde o céu nunca perde seu tom azul e, quando escurece, é cheio de estrelas.” - a bela balonista pediu à menina. - “Tente imaginar um lugar onde não exista tristeza.”

“Ninguém fica triste no vale?” - Klara perguntou.

“Não, minha querida.” - garantiu, Doriana. - “Ninguém.”

“Por que?”

“Porque o vale é um lugar muito bonito.”

Ao vê-la com os olhos fechados e o rostinho absolutamente encantado, Doriana não conteve sua curiosidade em saber o que Klara estava imaginando. Perguntou:

“O que está vendo?”

“Eu estou vendo um lago cercado por árvores cheias de folhas e de borboletas e de passarinhos.” - ela foi descrevendo tudo que lhe vinha na mente. - “Os coelhos são branquinhos e os gatos e os cachorros estão correndo um atrás do outro, e o céu também é muito bonito.” - disse, concluindo. - “Têm peixes coloridos, nadando num lago, para a gente dar comida para eles, além de almofadas e bonecas para a gente sentar e brincar o dia todo.”

“Não disse que era um lugar muito bonito!” - exclamou, Doriana, arrancando um breve sorriso da menina.


CONTINUE ACOMPANHANDO A HISTÓRIA NAS PRÓXIMAS POSTAGENS.

Comentários

  1. Olá Rob, tudo bem?
    Que história bacana, quer dizer, o começo dela...rs. Vi que já tem a segunda parte, aí vim conferir a primeira. Fiquei curiosa, vamos ver o que ainda está por vir.
    Abraços!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Esther, que bom que gostou!

      Abraço.

      Excluir
  2. Adorei a história. Os diálogos estão super bem construídos. Vou conferir a segunda parte agora. Beijos e parabéns pelo texto! Gostei muito. (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carolina, siga acompanhando o blog!

      Abraço forte!

      Excluir
  3. Oi Roberto!

    Achei bem interessante esse primeiro capítulo. Fiquei curiosa o porque que a mãe da Klara sumiu assim sem nada... Já vou ler a segunda parte!
    Parabéns pela história!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2017/04/sorteio-livro-da-pascoa-autografado.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Carol, siga acompanhando a história p/ descobrir, haha

      Excluir
  4. Adorei o deliniar da menina e o seu caminho ate ao vale :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por prestigiar a história, tem de fato muito bucolismo nessa parte!

      Excluir

Postar um comentário

Caro leitor(a), seu comentário é importante por aqui. Diga-me suas opiniões ou impressões sobre a postagem que acabou de ler que as lerei com carinho.

Obrigado desde já!
Volte sempre!