terça-feira, 11 de abril de 2017

POESIA: Abaixo o Novo Homem das Cavernas!


Nasceu então um certo bicho:
O Novo Homem das Cavernas.
Espécie nova, faltoso de bom espírito,
o que com violência mais violência gera!

O dedo em riste, olhar de briga,
homem que é homem conversa!
Se nervoso, vai logo para cima,
nunca se afasta, se acalma ou espera.

Mulher, nunca aguente quem te oprime! Abaixo o Novo Homem das Cavernas!

Homem novo de um tempo velho,
pouco em jogo e a confiança se quebra.
O Novo Homem é feito de sorrisos, tem amigos, ainda assim, covarde, um agressor de mulheres!

Um minuto sozinha, a mulher logo se sente desprotegida por achar que não é ninguém se não estiver acompanhada. De pronto, o Novo Homem das Cavernas ataca, a seduz então, prometendo a melhor das vidas, mas continuará raso, progressivamente perigoso.

Começa assim o ciclo de violência contra uma mulher:
Mulher frágil, carente e triste:
vítima perfeita por vários nomes.
Macho, viril, o que a conduz, destemido:
Falso forte, longe de ser verdadeiramente um Homem.

Seja em extinção ou apoiado em uma superestimada maioria, nunca se engane: o Novo Homem das Cavernas é um bandido e também um doente. Quem agride, antes se revela também um fraco! Homem que é homem de verdade, respeita e protege; é consciente da sua força física!

Ciclo mortal: opressor e oprimida.
Há de se dar um basta, um tratamento.
Foi agredida? Grite, denuncie!
Violência mais violência gera!

Abaixo a covardia e a opressão; e vamos juntos, homens e mulheres, na construção de um mundo civilizado! Abaixo o Novo Homem das Cavernas, o eterno sujeito raso!

43 comentários:

  1. Adorei o texto, você conseguiu expressar muito bem o sentimento de indignação de todas nós, mulheres, violência nunca! Tem um monte muitos Neandertais espalhados pelo mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cíntia, o combate a misoginia é uma causa de todos: homens e mulheres.

      Excluir
  2. Putz! Parece que você traduziu bem o que acontece em nossa sociedade.
    Você descreveu com tanta maestria que me deixou perplexa! Eu amei!
    Vou levar sua poesia para a Casa da mulheres onde eu faço estágio. Elas vão adorar!
    Fico feliz que existam homens como você! És um Gentleman!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Eliziane, conhecendo-a o pouco que a conheço, fico feliz que tenha gostado!

      Excluir
  3. Como faço para aplaudir daqui??
    "Mulher, nunca aguente quem te oprime!" - na verdade quase todos nos tentam oprimir de mil e uma maneiras, seja com violencia ou "apenas" nos julgando ou criticando a nossa aparencia. Mas cada vez somos mais fortes, com mais voz!!
    Feminista sou todos os dias mas a sua poesia despertou o lado revolucionário que tenho. Me deu vontade de a ler gritando, e gritando também "Opressão, nunca mais!" ^^
    Obrigada por esse momento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, Bia, eu que agradeço sua visita e comentário. Que bom que lhe proporcionei esse momento de extravasamento.

      Abraço.

      Excluir
  4. Seu texto revela o sentimento que muita gente compartilha, de revolta, raiva e insegurança. E ainda que hajam tantas opiniões, algumas convergentes e outras divergentes, é sempre adequado e saudável que a gente explore esse assunto cada vez mais. É difícil, mas se essas pessoas agredidas (física e psicologicamente) não sabem do apoio que tem, como podem algum dia pensar que existe saída, né? Enfim, uma bela reflexão que eu encontrei por aqui ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Falkner, opiniões masculinas assim são sempre bem-vindas. Abraço, volte sempre!

      Excluir
  5. texto maravilhoso! Pude sentir a revolta nas suas palavras. Simplesmente perfeito! Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Ótima poesia, retratou o maxhismo que ainda acontece na nossa sociedade e que na verdade nunca foi embora, o homem das cavernas continuou apesar das mudanças de época e o que nos resta é lutar contra isso, como sua poesia nos mostra. Bj!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Kelly, tem minha concordância.

      Siga acompanhando o blog!

      Excluir
  7. Meeeu ! Textão!
    Você falou tudo e mais um pouco do que eu penso !!!
    "Foi agredida, grite! Denuncie!"
    Nós já nos calamos por muito tempo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, leitora, bom que consegui expressar o sofrimento de muitas.

      Siga acompanhando as poesias do blog!

      Excluir
  8. É muito bom ver um homem falando neste assunto, isso prova que ainda existem homens de vdd.. Parabéns

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo texto, texto extremamente maravilhoso, pena que ainda existem homens das cavernas que não respeita as mulheres, essa covardia precisa acabar, Rob feliz páscoa, abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz Páscoa p/ vc também, LUCIMAR

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  10. Parabéns,Rob!
    Você conseguiu transmitir com suas palavras muitos sentimentos que estão guardados em muitos de nós, e em especial nas mulheres.
    Amei!
    Beijo
    Cássia Pires

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cássia, valeu mesmo!

      Legal que expressei de maneira correta a misoginia!

      Excluir
  11. Parabéns por este teu texto! Gostei imenso de como descreveste o "homem das cavernas" moderno! A violência contra a mulher deve ser abominada dos dois lados, defendida por todos! Usar a força para impor uma vontade é um acto condenável e tem de ser parado. Pena ainda existir gente assim...

    Beijinhos,
    Mii
    The Comic Life Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Mii, concordo em absoluto!

      Siga acompanhando o blog!

      Excluir
  12. Muito Bom! Amei o texto.. Pode compartilhar? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thamiris, obrigado. Pode sim compartilhar sim. Leitores nunca é demais por aqui.

      Abraço.

      Excluir
  13. O homem devia ser aquele que respeita a mulher e sabe dar carinho e ser apaixonado todos os dias. O homem não devia rebaixar a mulher.
    Adorei o seu post muito bom :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, que bom saber disso!

      Volte sempre e acompanhe as próximas poesias!

      Excluir
  14. Nossa que incrível, estou completamente apaixonada e encantada!! Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  15. Mano, sensacional essa poesia. Traduziu bem a nossa sociedade machista, parabéns

    www.desconstruindooverbo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Erick, que bom que expressei bem a misoginia!

      Abraço.

      Excluir
  16. Adorei o texto, conheço vários homens da caverna assim, parabéns!!

    ResponderExcluir
  17. Texto simplesmente incrível! Disse tudo que acontece, infelizmente, com muitas mulheres. Parabéns Roberto pela iniciativa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mesmo. Quem que expressei bem o sofrimento e a opressão sofrida por muitas mulheres.

      Volte sempre!

      Excluir
  18. Poema extremamente sincero e verdadeiro.
    É triste tanto sofrimento que nós mulheres temos que passar com o medo e a violência dos homens.
    Seu poema soube expressar tudo verdadeiramente

    ResponderExcluir
  19. Que poesia forte, véio! Verdadeiro, realista. Muitos precisam ler isto!

    ResponderExcluir
  20. parabens amei o texto achei muito bacana mesmo, pois isso e a mais clara realidade
    amei o poema
    parabens sucesso
    abraço

    ResponderExcluir
  21. EU amei se eu um dia te conhecer para te da parabens pessoalmente pelo post assistir um filme aqui em Portugal e muito forte e se as pessoas que agride as suas mulheres le isso eles ia ter consiencia

    ResponderExcluir
  22. Que texto maravilhoso!!! Aaaah. Seu blog é incrível, sucesso!! Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Homem novo de um tempo velho... Que texto expressivamente maravilhoso!

    xoxox

    ResponderExcluir
  24. Olá! Tudo bom?
    Eu adoro seus textos e poesias, acho você extremamente criativo, estou louca para ler seu livro, está na minha listinha de próximas compras. Muito sucesso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  25. Parabéns pelo texto, ficou maravilhoso e bem detalhista

    ResponderExcluir

Todos os Marcadores do Blog!

A Despedida (3) A Graça em Um Bule (1) A Humanidade em Mim (1) A Menina de Gabrovo (49) A Nacionalidade da Matemática (1) A Queda do Balonista (2) A Sabedoria de Ser Jovem (1) A Segunda Queda do Balonista (2) Abaixo o Novo Homem das Caverna! (1) Advertência! (1) Albert Camus (1) Amalucado (1) Ambicionar é Bom! (1) Amor Ordinário (1) Aninha Dona Fada e os Sapatinhos de Brilhantes (1) Arco-íris (1) Areias do Tempo (1) Asco (1) Atalho (1) Banquete Cigano (3) Baruch Espinoza (1) blogs parceiros (7) Boris e a Menina de Razgrad (3) Cacareco (1) Calendário (1) Camisa de Força (1) Capitalismo Selvagem (1) Cem Anos de Solidão (1) Cerimonial de Velas (1) Certa Estranheza (1) Céu de Balões (2) Chamamento (1) Cidade Azul (1) Cinema Mudo: Pequeno Tributo à Chaplin (1) Clarice Lispector (1) Clóvis de Barros Filho (1) Como Surge Um Ignorante (1) conteúdos especiais (2) Contracultura (Bob Dylan) (1) Copo de Vidro (1) Coração em Festa (1) Corpo Estranho (1) Criançada na Rua (1) crônicas (6) Daquele Jeito (1) Democracia Matemática (1) Depois da Fronteira (1) Descomplique-se! (1) Descontrole o Tempo! (1) Destrato. Contrato. Distração. (1) Disfarce ou Fantasia? (1) Dissidência (1) Dois Papagaios (1) Domingo de Páscoa (1) Duelo de Facas (1) Duvide! (1) É Hora da Luta! (1) Enquanto Você Dorme (1) Então S morreu (1) entrevistas (15) Estrela Azul (1) Fausto (1) Faz-se Uma Revelação (1) Felicidade Esperada (1) Fetiche (1) Flávio Ricardo Vassoler (1) Flor da Juventude (1) Forçosamente (1) Fórmula da Vida vs. Fórmula do Amor (1) Franklin Leopoldo e Silva (1) Friedrich Nietzsche (1) Gabriel García Márquez (1) Gênio da Alma (1) Goethe (1) Guimarães Rosa (1) Há Sempre Um Alguém! (1) hangouts (1) Hannah Arendt (1) Hipnose do Desamor (1) histórias infantis (3) Hoje Tem Palhaçada? (1) Hora da Verdade (1) Identidade Nova (1) Imaginando Como Seria (1) Imaginatório (1) Imposição do Eu (1) Invenção da Saudade por Outros Nomes (1) Joana Rodrigues (1) Jogo da Conquista (1) José Garcez Ghirardi (1) Leandro Karnal (1) Literatura Oral (1) Luís Mauro Sá Martino (1) Luiz Felipe Pondé (1) Magricela Revanche e os Meninos da Rua (1) Manifestos da Infância (Série) (3) Marcus Mazzari (1) Mastigado Pelos Nervos (1) Mau Agouro (2) Mauricio Marsola (1) Me Convence? (1) Medos Obscuros Medos de Tudo (1) Meio Rato Meio Gato (1) Michel Foucault (1) Morte Social (1) Muito Poder Em Um Segundo (1) Napoleão e o Muflão Francês (3) Negritude Distraída (1) Ninguém é tão forte assim (1) novidades (1) novos autores (1) O Carvoeiro (1) O Caso da Borboleta (1) O Contraditório da Humildade (1) O Coração de Natalina (1) O Cortejo (1) O demônio dentro da gente (1) O Dilema de Klara (3) O Estrepe (1) O Homem e o Cérebro (1) O Interrogatório (3) O Ovo e a Tartaruga (1) O Prazer do Cuidado (1) O Quadro Misterioso (3) O Resgate de Lazar (3) O Tomateiro (3) O Vale dos Órfãos (2) Os Irmãos Karamázov (1) Os Segredos do Gozo (1) Osvardo: Terra dos Pedros (1) Oswaldo Giacoia Junior (1) Outono de Oitenta (1) Paixão Acidental (1) Paz. Desassossego. (1) Pedaço de Pão (1) Pedro o Muflão da Montanha (3) Pedro Paulo Braga de Sena Madureira (1) Pena Amarela (1) Pensamento Livre (1) Percepção e Compreensão (1) Peripatético (Significado) (1) poesias (121) Poética do Morro (1) Pontas Soltas (1) Povo Bobo de Novo (1) Primavera das Neves (1) processo criativo (1) psicanálise (1) Quando Ainda no Tempo (1) Quase Tudo! (1) Que Deus me Leve! (1) Que é Que é o Parlamento? (1) Que tal? (1) Quem Somos Nós? (12) Quente e Frio (1) Reação em Cadeia (1) Refugiados do Pão (1) Relações Destrutivas (1) Renúncia Estrangeira (1) resenhas (7) Respiração. Expiração. Inspiração. (1) Revolução do Sexo Próprio (1) Roda Viva (1) Sapo Sábado no Sapato (1) Scarlett Marton (1) Segredos da Poesia (1) Senhor Polvo Castilho e as águas-vivas (1) Senta e Escreva (1) Sigmund Freud (1) Significado e Significância (1) Singeleza! (1) Solidão Acompanhada (1) Sorte Comportamental (1) Sou Desses (1) Sou Frágil (Ou Não) (1) Tangerina (1) Telefone Sem Fio (3) Três Carências da Vida (1) Tristeza e Angústia (1) Trump. Nove de novembro. Um dia depois do Engano (1) TV Cultura (1) Um Livro (1) Um pouco do que penso a respeito de Machado de Assis (1) Um Shakespeare que só farfalhava o melhor português (1) Uma Declaração (1) Uma Experiência (1) Velislava a Raposa de Fogo (3) Verbo Amigo (1) Viagem Inesquecível (3) vídeos (14) Vovó Yordanka (3) William Shakespeare (2) Zygmunt Bauman (1)