POESIA: Arco-íris Repentino.


De repente, aqueles arcos no céu.
Riscos coloridos avivando nuvens.
Como se aquarelado em um céu azul de papel,
miragem, sete cores, iluminado arco-íris.

De repente, um arco-íris no céu.
Um céu claro a iluminar jardins floridos.
Como se miragem em um modesto período,
pimposo, a repentina beleza de um arco-íris.

Arco-íris, traços belos mas repentinos.
Arco-íris, riscos iluminados e coloridos.
Inegável tesouro dos Céus à Terra,
um generoso arco-íris repentino.

Comentários

  1. Me conta o teu segredo por favor hahahha acho que não nasci com esse talento de escrever poesia mesmo. Parabéns! :)
    diarioleitorblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Puxa, achei bem legal o contraste com o texto anterior que eu havia lido, que tinha um caráter mais narrativo. Esse é um poema inegavelmente lírico (desde a escolha da temática, da impermanência dessa espécie de miragem).

    Enquanto lia seu poema, me lembrava que há uns dois anos, o Facebook todo se coloriu de arco-íris, se não me engano por causa de uma decisão da Suprema Corte norteamericana. Achei tão curioso (e bonito) ver o Face todo pintado, que isso acabou gerando um poema, que publiquei em meu blog. Deixo aqui o link, pois passado o fato, acho que o poema ainda vale, e dialoga com esse seu: https://teofilotostes.wordpress.com/2015/06/28/colorir/
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Só mais uma coisa, que acabei não escrevendo: adorei o comentário que você me deixou recentemente lá no meu blog! Abraços! :)

    ResponderExcluir
  4. Você tem talento de sobra. Amei a poesia.

    Bjs
    Suka
    http://www.suka-p.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Caro leitor(a), seu comentário é importante por aqui. Diga-me suas opiniões ou impressões sobre a postagem que acabou de ler que as lerei com carinho.

Obrigado desde já!
Volte sempre!