POESIA: O Carvoeiro.


O Carvoeiro guloso comeu a montanha.
Comeu a montanha e tudo que havia nela.
A copa das árvores, os passarinhos, os esquilos,
comeu a montanha que eu admirava pela minha janela.

O Carvoeiro malvado não teve pena da montanha.
Embuchou até mesmo o que tinha debaixo da terra.
As minhocas, os ossinhos, as caixinhas de segredos das meninas,
levou junto a cidade e o pouco do resto dela.

O Carvoeiro e todos os outros da companhia.
No início achava que ele não gostava de mim.
Depois vi que ele não era mau e nem guloso.
O Carvoeiro era parte de uma tal economia.
Comeu a montanha porque encontrou ouro e outras pedras.


Comentários